Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

sábado, 13 de julho de 2013

XV Domingo do Tempo Comum

Dt 30,10-14 Cl 1,15-20 Lc 10,25-37

Pe. Valderi da Silva

Estimados irmãos e irmãs.

O Evangelho deste domingo nos faz relembrar o preceito básico e fundamental, no qual esta a própria sobrevivência de nossa fé e a esperança da vida eterna: “amarás o Senhor, teu Deus, de todo coração e com toda a tua alma, com toda a tua força e com toda a tua inteligência; e ao teu próximo como a ti mesmo” (Lc 10,27).

Já a primeira leitura tirada do livro do Deuteronômio nos havia situado neste imprescindível preceito da lei de Deus, que aqui podemos também chamar de “preceito do amor de Deus”. Diz a leitura: “Converte-te para o Senhor teu Deus com todo o teu coração e com toda a tua alma” (Dt 30,10b). Desde este versículo até o Evangelho percebemos a necessidade da primazia de Deus em nossa vida, algo bem claro na Sagrada Escritura e que Jesus não deixa de ressaltar ainda mais. É necessário, conforme a Escritura, fazer esta “opção fundamental” por Deus, que Ele seja de fato – e não somente de intenção! - aquele que esta acima de mim, mas não distante, junto de mim, sendo que é Ele o criador e sustentador de minha vida, Aquele a quem devo tudo, que merece tudo de mim.O bom samaritano

Quando percebemos esta primazia que Deus precisa ter em nossas vidas, logo também percebemos que o trabalho vêm junto, ou seja, ter a Deus acima de tudo, amá-Lo acima de tudo, exige dedicação integral a Ele, e do ser integral. Para ser mais claro: o tempo todo precisa ser vivido na presença de Deus e assim, tudo em nossa vida precisa ser dedicado a Ele, assim garantimos Sua primazia em nossa vida.

O livro do Deuteronômio deixa bem claro que não há desculpa bem fundamentada para não se cumprir este preceito. Deus é aquele que esta presente no tempo e no espaço, não é impossível de ser alcançado, nem fica alheio a nossa vida. O que facilmente acontece é que o ser humano deseja ficar alheio a Deus, pensando cumprir seus mandamentos relegando a Deus alguns minutos do domingo ou do sábado. O ser humano acaba desejando muitas vezes que Deus esteja no outro lado do mar (cf. Dt 30,13), inacessível, pois não quer que sua vida seja guiada por Deus e Sua Vontade. Infelizmente o gosto pelo pecado – pelo que é prazeroso, fácil mas errado – vence o desejo de amar a Deus.

Como era dito no início, este preceito é base e de certa forma pressuposto para a vida nova que Deus nos oferece. E isto percebemos no que Jesus conta neste Evangelho. Ouvindo a pergunta do mestre da Lei sobre quem seria o seu “próximo”, Jesus conta uma parábola muito significativa, mostrando que se pode ter entre nós uma ideia muito errada do “próximo” que o preceito nos diz para amar. É interessante como Jesus coloca a imagem daquele que realmente se importou pelo ferido na pessoa de um samaritano, pois este povo era meio discriminado na época de Jesus, eram vistos como povo sem lealdade a leis, sem religião, talvez até sem noção de moral. É aquele que é renegado, talvez visto como louco, ou pessoa de pouco valor, mas é aquele que, nesta parábola, expressa o que o próprio coração de Deus tem para com o ser humano: compaixão (cf. Lc 10,33). Este é o ponto mais importante desta parábola, pois aqui vemos aquilo que o próprio Deus sente pelos homens, compaixão pela sua condição muitas vezes miserável, desfigurado pela chaga do pecado. Diz o Evangelho que “chegou perto dele...” (Lc 10,33), Deus assim o fez também, na plenitude dos tempos aproximou-se mais perto do ser humano, vendo-o caído, desfigurado. O Filho de Deus veio ao mundo como o samaritano que chega perto daquele ferido a fim de vê-lo e poder fazer algo. Deus se aproximou mais que fisicamente, se aproximou com Seu coração e por isso “viu e sentiu compaixão”.

Compaixão (misericordia) é a capacidade de compadecer-se daquele que padece algum ferimento, seja físico ou espiritual. Os seres humanos padeciam de um ferimento que comprometia seriamente sua existência eterna, algo que terrivelmente separava o ser humano da vida divina, por isso, o Verbo de Deus veio ao mundo como o samaritano, passando pelo caminho onde o ferido havia passado, para o encontrar e dar-lhe o remédio para a vida eterna. Somente Deus pode ser este samaritano em sua mais esplêndida caridade, mas o que Jesus nos pede neste Evangelho é que dispensemos o mesmo cuidado, ou a mesma sensibilidade para com nossos irmãos. O “próximo” de que fala Jesus é no fundo todo aquele que esta ao alcance de nossos olhos, todo aquele que é reconhecido como criatura de Deus.

Nosso amor a Deus, a primazia de que fala o primeiro mandamento, se expressa principalmente nesta caridade com todos. Em realidade, sem a consciência de que Deus esta presente de modo constante, seria até impossível viver esta caridade gratuita que o Senhor nos fala. Amamos nossos irmãos, somos caridosos, tudo por amor a Deus em primeiro lugar.

Nenhum comentário: