Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Sexta-feira – 21 de dezembro – Ct 2,8-14 Lc 1,39-45

III Semana do Advento

Pe. Valderi da Silva

No evangelho de hoje, nesta feira privilegiada antes do Natal, vemos Maria seguir apressadamente (cf. Lc 1,39b) à casa de sua parenta Isabel. Isto acontece logo após Maria ter recebido a visita do anjo do Senhor, anunciando a maravilhosa ação de Deus em sua vida. Esta atitude não deve ser vista como aconselhada ou imposta por Deus a Maria, já que o evangelho não deixa claro ter sido uma recomendação ou pedido do anjo para que Maria fosse visitar e acompanhar Isabel em sua gravidez. Deste modo, vemos na atitude de Maria uma preciosa atenção desta jovem escolhida por Deus, em correr para colocar-se a disposição para qualquer ajuda que poderia oferecer a Isabel, que sabemos ser, nesta altura de sua vida, alguém já com uma idade avançada.

É difícil não perceber que esta virtude da prontidão em ajudar os demais mesmo sem haver pedido, é próprio de corações formados pelo amor a Deus. Pessoas que seguem o exemplo de Maria e forjam-se nas virtudes por amor, sentem-se impelidos a prestar qualquer auxilio aos irmãos, mesmo que não se lhes peçam nada. Uma característica desta caridosa prontidão é o desinteresse, ou seja, a gratuidade sem qualquer pensamento de retribuição, pois é feito por amor, e ao amor não se lhe paga nada a não ser com o próprio amor.

Chegando em casa de Isabel, Maria é saudada como se já fosse esperada, algo que certamente aumentava em Maria sua admiração pela prodigiosa ação de Deus. Isabel dá o primeiro louvor a Virgem Maria e ao mesmo tempo é a primeira a reconhecer as maravilhas de Deus em Maria.

“Bem-aventura aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu” (Lc 1,45). Maria é louvada pelas palavras de Isabel, sua parenta, elevando-a ao nível dos bem-aventurados, colocando-a ao lado de santos homens e mulheres que foram distinguidos com o adjetivo de “justo” e “santo” entre os homens. Maria é bem-aventura porque teve fé em Deus, nas palavras que o anjo lhe pronunciava da parte de Deus. A respeito da fé de Maria, alguns podem pensar que por ter sido tão privilegiada por Deus desde o nascimento seria-lhe fácil crer em Deus, ter uma fé obediente, sem a dificuldade que um ser humano passa. Mas este pensamento não é justo com Maria nem com Deus. Dizer isso é eliminar a liberdade de Maria, é dizer também que Maria não tinha outra saída a não ser acatar a ordem do Altíssimo. Isto fere a própria intenção do plano salvífico que não pretende regatar o ser humano a força, contra a sua liberdade, mas resgatá-lo precisamente mostrando a necessária obediência a verdade, não com autoritarismo, mas com convencimento e amor. Maria amava a Deus, pois estava convencida de quem Deus era e de que tudo o que vem Dele não podia ser desgostoso ao ser humano. Mesmo ela, no anúncio do anjo, não viu a Deus especificamente, mas um anjo, ou seja, mesmo ali fora-lhe pedido a fé para que acreditasse que aquele anjo vinha da parte de Deus, e que portanto suas palavras eram divinas.

É a fé de Maria que a faz consentir com o plano de Deus, pois sabe pela fé, que Deus cumpri suas promessas, que não é mentiroso nem negligente. Isabel também vê isso, através da fé de Maria: “porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu” (Lc 1,45b). Por meio da fé de Maria, podemos nós aprender a amar mais perfeitamente a Deus e sermos mais prontos aos irmãos.

Nenhum comentário: