Destaque:

A retrospectiva de Brás Cubas

Tenho grande apreço por Machado de Assis, pois acredito que sua contribuição para a Literatura Brasileira foi muito além de incrementar ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

sábado, 1 de dezembro de 2012

Sábado – Ap 22,1-7 Lc 21,34-36

XXXIV Semana do Tempo Comum

Pe. Valderi da Silva

Hoje, último dia do Tempo Comum, Jesus adverte-nos com clareza meridiana sobre a sorte da nossa passagem por esta vida. Se nos empenhamos, obstinadamente, em viver absorvidos pelos afazeres imediatos da vida, chegará o último dia da nossa existência terrena tão de repente que a própria cegueira da nossa gula nos impedirá de reconhecer o mesmíssimo Deus que virá para levar-nos à intimidade do Seu Amor infinito. Será qualquer coisa como o que ocorre com um menino malcriado: está tão entretido com os seus brinquedos, que no final esquece o carinho dos seus pais e a companhia dos seus amigos. Quando se dá conta, chora desconsolado pela sua inesperada solidão. Esta solidão é o distanciamento eterno de Deus, lugar para onde o Senhor deseja nos afastar, pois não fomos criados para lá, mas para estar junto Dele. Será tão trágico este “dar-se conta da solidão” que não haverá mais volta, não haverá mais arrependimento e nem possibilidade de conversão, é por este motivo que buscamos arrependimento e conversão ainda aqui.

O antídoto que Jesus nos oferece é igualmente claro: «ficai atentos e orai a todo momento» (Lc 21, 36). Vigiar e orar… O mesmo aviso que deu aos seus Apóstolos na noite em que foi traído. A oração tem uma componente admirável de profecia, muitas vezes esquecida na pregação, ou seja de passar de mero “ver” a “observar” o quotidiano na sua mais profunda realidade. Como escreveu Evágrio Pôntico, «a vista é o melhor de todos os sentidos; a oração é a mais divina de todas as virtudes». Os clássicos da espiritualidade chamam-lhe “visão sobrenatural”, olhar com os olhos de Deus. Ou o que é o mesmo, conhecer a Verdade: de Deus, do mundo, de mim próprio. Os profetas foram, não só os que “pregaram o que haveria de vir”, mas também os que sabiam interpretar o presente na sua justa medida, alcance e densidade. Resultado: souberam reconduzir a história, com a ajuda de Deus.

Nas palavras de Santa Teresinha do Menino Jesus, encontramos a ardente desejo de quem conscientemente conhece a Verdade, vê com esta visão sobrenatural o mundo e a si mesmo:

“Desejo cumprir na perfeição a Vossa vontade e chegar ao degrau de glória que me preparastes no Vosso Reino; numa palavra, desejo ser santa, mas sinto a minha impotência e peço-Vos, ó meu Deus, que sejais Vós mesmo a minha santidade.”

(Acto de oblação ao Amor misericordioso)

É a oração de quem procura nesta vida crescer na perfeição através da oração e da vigilância, para o Dia do Senhor.

Por vezes lamentamos tantas vezes da situação do mundo. – Onde iremos parar? Dizemos. Hoje, que é o último dia do Tempo Comum, é dia também de resoluções definitivas. Quem sabe, já está na hora de mais alguém estar disposto a levantar-se da sua embriaguez do presente e pôr mãos à obra de um futuro melhor, algo que começa pela minha própria lucidez espiritual.

_____________________________

Adaptação do comentário do dia do Rev. D. Antoni CAROL i Hostench (Sant Cugat del Vallès, Barcelona, Espanha).

Nenhum comentário: