Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Sexta-feira – Ap 10,8-11 Lc 19,45-48

XXXIII Semana do Tempo Comum

Pe. Valderi da Silva

Somos convidados a debruçar mais atenção a estas palavras do Apocalipse que hoje ouvimos na liturgia. Nela uma voz vinda do céu pede a João que pegue o “livrinho” da mão do anjo, este anjo ao entregá-lo diz para o comer. Parece-nos um tanto irreal esta cena do anjo pedindo que se coma um livro, por menor que seja, mas precisamos lembrar que se trata de uma visão, e como tal, tem de ser interpretada e não entendida literalmente. É por isso que enxergamos neste “livrinho” de que fala João, a Palavra de Deus. Comê-la precisa ser visto como ingerir a Palavra de Deus, ou seja, não ser um escudo onde a Palavra de Deus vêm em direção dele, mas encontra esta resistência e nem sequer aproxima-se do ouvido. Comer algo é transformar isto que esta fora de nós em parte de nós depois que o ingerimos, assim como o alimento se torna parte de nosso corpo após uma refeição. Comer a Palavra de Deus, pode nos dizer que devemos ter revisar nossa postura diante dela, notar se realmente estamos transformando o que ela é em parte do nosso “corpo”, ou seja, em parte de nossa vida.

Disto podemos dizer mais ainda. Para se comer algo é preciso sentir a necessidade deste “alimento”, assim como acontece em nossa vida fisiológica. Sentimos a necessidade de nos alimentar, então procuramos algum alimento que possa satisfazer esta necessidade e então o ingerimos. A Palavra de Deus, para ser aceita como alimento, antes precisa ser sentida como uma necessidade para nos nutrirmos. Já percebemos que ela é alimento que nutre para a vida eterna, mas que também nos orienta neste mundo em vista do mundo futuro. Existe a necessidade, cada ser humano precisa conhecê-la para senti-la e então reconhecer-se dependente deste alimento eficaz.

Pegando o “livrinho” das mãos do anjo, este fala a João: “será amargo no estômago, mas na tua boca, será doce como mel” (Ap 10,9). Certamente se percebe neste recado do anjo, que a Palavra de Deus, pode muitas vezes ser-nos amarga pela aparente dureza das palavras que a compõe. Mas existe outro motivo para ser-nos amarga, a falta de familiaridade com ela. Assim como alguém pode achar amargo algum alimento que não esta acostumado a comer, mas que após a familiaridade com ele acaba por não achá-lo mais tão estranho. É por isso que o anjo diz que será amargo ao estômago, mas doce na boca, para que também tenhamos bem presente esta realidade da Palavra de Deus e nossa. De fato, mesmo sendo-nos amarga em nosso interior, é nos doce e suave proclamá-la se censura e com amor.

Jesus nos mostra uma atitude realmente de acordo com esta compreensão que acabamos de elucidar. Entrando no Templo toma-se de uma atitude muito intragável a quem esta acostumado somente com o “mel” da imagem de Jesus, colocando-se até em escândalo por Jesus ter tido tal reação diante dos vendedores no Templo. Mas o que acontece com muitos é que ficam na atitude violenta, e não entendem o que Jesus quis mostrar com tal: “Está escrito: Minha casa será casa de oração” (Lc 19,46). A perversão da finalidade do Templo moveu o coração e a atitude de Jesus para tomar esta atitude. Bom exemplo de que a Palavra de Deus pode ser amarga quando se apresenta a nós, mas é doce ao entendê-la e proclamá-la.

Nenhum comentário: