Destaque:

A retrospectiva de Brás Cubas

Tenho grande apreço por Machado de Assis, pois acredito que sua contribuição para a Literatura Brasileira foi muito além de incrementar ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Se pode celebrar a Missa com iPad?

[Artigo do dia 2 de agosto de 2012]

No dia 30 de abril, sete bispos da Conferência Episcopal da Nova Zelândia enviaram uma carta aos sacerdotes de suas dioceses em que alegaram terem recebido inúmeras consultas sobre o uso do Missal Romano em mídia (iPad, outros tablets, e-readers e smartphones), em vez dos tradicionais livros litúrgicos.Ipad na Missa

Os bispos escreveram que eles haviam ponderado que, examinando cuidadosamente o caso também em outros países. Eles consideram que as várias aplicações que trazem os meios de comunicação como o Missal em versão digital são "excelente para o estudo", mas "não pode ser usado pelo sacerdote na liturgia", então "apenas a cópia do Missal Romano impresso de forma oficial pode ser usado durante a liturgia da Missa e dentro da Igreja. "

Os bispos também forneceram razões para a sua decisão: "Todas as crenças (todas as religiões) têm livros sagrados que são reservados para os ritos e atividades que estão no coração da fé. A Igreja Católica não é diferente, e o Missal Romano é um dos nossos livros sagrados. Sua forma física mostra seu papel especial na nossa adoração. O Missal é reservado para uso durante a liturgia da Igreja. O iPad e outros dispositivos eletrônicos têm uma variedade de uso, como jogar games, navegar na internet, assistir a vídeos e checar e-mail. Isso por si só torna o seu uso inadequado para a liturgia ".

Esta declaração tem dado muito para discutir, porque, graças a aplicativos como o Eprex iBreviary e outros, na Itália, existe um crescente uso dos livros litúrgicos em suporte digital. Como considerar a declaração dos bispos da Nova Zelândia? Deixando a preocupação de dar certo ou errado, podemos constatar que, alegando que o que eles oferecem é de grande interesse. O que têm notado os bispos? Que, com a expansão da leitura digital do "texto" é separado permanentemente da sua sólida base para a realidade material da "página". O que é de fato o desafio da tela para os "textos sagrados"? Em primeiro lugar, o fato de que o texto se torna um "objeto" de líquido exatamente o oposto das "tábuas da lei" e da scripta manent. Não só isso, o texto litúrgico pode facilmente desaparecer da mídia para dar lugar a e-mail, vídeo ou páginas web, de outras aplicações. O "texto" é separado do material da realidade "página" a "flutuar" na tela, mas nunca coincidi com ele.

Missal Em suma, a mídia digital da "página" já não é uma espécie de "ícone" pintado em pergaminho, como era na época das grandes Bíblias iluminadas, mas uma "tela". A adoração é tudo, mudou-se somente para a mensagem: a página se torna interino, o acessório do livro. […] Página do evangelho, mesmo que seja mais ricamente iluminada como era antes, continua a ser uma parte integrante do ritual da comunidade cristã. É inconcebível, por exemplo, o que leva na procissão um iPad ou um laptop ou uma liturgia em que um monitor é solenemente beijou e inflamado. A liturgia, portanto, é um bastião da "resistência" da relação entre texto / página contra a volatilização de texto sem corpo de uma página de tinta, e do contexto em que a página é o "corpo" de um texto.

Pense no Concílio de Trento, que abraçou a tecnologia de sua época, a imprensa, o que permitiu a criação de Editiones typicae, útil para a criação de uma liturgia verdadeiramente "global", que é uniforme em todas as dioceses e paróquias. Como a Igreja, para além do caso da Nova Zelândia, confrontará a tecnologia de texto digital?

___________________________

*Artigo de Antonio Spadaro SI. Original em italiano do site http://www.cyberteologia.it/

**Tradução do italiano Blog VALDERI

***Fotos: (1) Arcebispo Primaz do México, Cardeal Norberto Rivera. (2) Missal tradicional.

Nenhum comentário: