Destaque:

A retrospectiva de Brás Cubas

Tenho grande apreço por Machado de Assis, pois acredito que sua contribuição para a Literatura Brasileira foi muito além de incrementar ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

sábado, 13 de outubro de 2012

A dor da despedida

Já experimentou uma dor interior, algo que não é causado por ferimentos externos, não por um choque com a porta ou a parede? Algo que é até inexplicável? Indizível?

Você talvez me diga: “sim, mas existem vários fatos diferentes que podem me causar esta dor”. Realmente, não discordo. Mas penso naquela dor que você não consegue evitar, que te dói mais ainda quando te parece uma pura injustiça, quando você se sabe totalmente inocente, e mais, sabendo que fez tudo certo, mais do que até se esperava. Uma dor incrivelmente inexplicável!

Falo da dor da despedida. Despedida muitas vezes forçada, indesejada, não querida nem imaginada. Algo que você sempre descartou de suas possibilidades porque a vida não dava pistas de que isso poderia acontecer.

Uma despedida, dentre muitas que você faz na vida, pode te levar a reviver aquele momento de dor por todos os dias em que viver. Uma despedida, que você não planejava, não queria, não imaginava… uma despedida injusta, uma ofensa grave a teu sentimento pelo simples fato de acontecer. Parece triste demais, mas é. Uma dor que surge do “nada” e parece ter nascido “imortal”, pois em cada dia, às vezes por breves segundos, te lembra que ela esta aí… viva em teu coração.

Uma despedida que você lembra cada detalhe: roupa, palavras, silêncio, céu, vento… último olhar. Tudo é injusto, tudo acontece sobre lágrimas contendo muitos sentimentos, tantos que se misturam num turbilhão impossível de acalmar e identificar.

E você, nesta despedida, depois da troca de olhares e de perguntar muitas vezes “por quê?”, vira-se e olhando para o chão começa a andar, o andar da despedida final, passos que não voltarão, passos para o desconhecido futuro longe de quem se despediu.

Esta dor fica e sempre mostra-se viva, e você inevitavelmente acaba se perguntando se é o único a sentir tamanha dor, afinal, eram dois se despedindo, não um.

Nenhum comentário: