Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Terça-feira – Ez 28,1-10 Mt 19,23-30

XX Semana do Tempo Comum
Pe. Valderi da Silva
Já ouvimos muitas vezes o quanto Deus condena o pecado da idolatria, pois é a demonstração de que o ser humano deixou de adorá-lo para adorar outros deuses, afirmando assim, que Ele não é maior do que estes deuses que eles agora elegeram para si. Pois se torna pior ainda quando vemos que o ser humano elege a si mesmo como deus, pois não somente destrona Deus do poder absoluto, como também afirma que têm a mesma qualidade daquele que é onipotente por essência, ou seja, declara-se todo-poderoso, alguém que pode resolver tudo por sua vontade e engenhosidade, por sua ciência e capacidade.Camelo buraco agulha
Muitos homens e mulheres ao longo da história humana tentaram chegar ao verdadeiro conhecimento de si mesmo como o deus do homem, chegando a afirmar que o céu, esta realidade eterna que tanto almejamos não existe pois Deus não existe porque o deus é o homem, e que portanto o “céu”, o “paraíso” é aqui dando argumento justificável para que o ser humano busque a felicidade aqui, nas coisas terrenas. Podemos perceber o porque que a maioria da sociedade sob o regime capitalista é tão facilmente levada ao materialismo, pois acaba negando a existência de uma realidade ainda por vir, que deve ser buscada aqui para alcançá-la no futuro.
O profeta Ezequiel nos apresenta esta realidade em seu livro, uma realidade desgostosa aos olhos de Deus justamente porque é corrosiva não só da pessoa que assim vive, mas acaba por levar muitos consigo ao mesmo caminho da alienação que leva a uma vida tão cega que não permite que estes entrem no Reino de Deus.
Jesus apresenta exatamente esta sentença de Deus, não exatamente porque Ele não permitirá a entrada em Seu Reino de quem esta nessa “doença”, mas porque eles mesmos optaram por não ingressarem na eternidade do Reino, pois pensam já vivê-la na terra, sob a guia de suas próprias vontades.
Podemos, deste modo, começar a entender o porque que Jesus declara ser tão difícil para um rico entrar no Reino de Deus (cf. Mt 19,23), pois estes que ajuntam muitas riquezas, geralmente conseguem isso por aderirem em certo grau, a esta mentalidade autodeificante, que faz do ser humano o senhor de si e que o deixa com o caminho mais fácil para enriquecer mais facilmente. É claro que Jesus não condena a “classe” dos ricos, mas esclarece que é muito difícil um rico entrar no Reino de Deus, pois ele, mais do que outros precisará sempre estar atento se não esta deixando Deus fora da regência de sua vida ao mesmo tempo que trabalha.
Na verdade, vemos a dificuldade estampada no materialismo que cerca a vida da pessoa que possui muitos bens. Não de modo geral, mas em muitos casos, há esta dificuldade em ver nos bens e utensílios somente o que devem servir para algo e também a dificuldade de usar o poder econômico que possui para apenas adquirir o necessário para uma vida bem vivida, sem os exageros absurdos que o materialismo alimenta. Da mesma maneira, é difícil para estes agir com mais caridade, já que possui mais condições que outros, deixando muitas vezes, crescer a avareza e a opulência em suas vidas. Podemos perceber a visão que Jesus têm ao ver muito se dedicando exclusivamente ao aumento de seus bens, e deixando de lado a Deus e sua alma.
É importante lembrar que o Evangelho não faz partido nem de ricos nem de pobres, pois Deus deseja salvar a todos, e o que pode levar a perdição um pode levar também o outro. É na resposta de Jesus aos discípulos quando lhe perguntaram o que receberiam por terem o seguido (cf. Mt 19,27-30), que podemos ver a atitude a tomar mediante nossa vida real. Ter esta compreensão de que é somente seguindo a Jesus plenamente, sem reservas ou conveniências, que entenderemos como será possível a cada este ingresso no Reino de Deus. E mais ainda, seguindo-O integralmente, seremos capazes de deixar tudo o que temos, ou seja, de desapegarmo-nos de tudo o que possuímos, dando o valor que realmente estas ínfimas coisas possuem, sem correr o perigo de autodeificarmo-nos, buscando o Céu no mundo material.

Nenhum comentário: