Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

segunda-feira, 2 de julho de 2012

A Virgindade pelo Reino de Deus

Entre tantos assuntos que as vozes contra a Igreja manipulam visando minar a sabedoria da doutrina da Esposa de Cristo, encontramos este da virgindade e do próprio celibato. Temas que por muitos são distorcidos em seu conceito, função e finalidade, deixando a sociedade aversa a esta realidade fazendo-a supôr ser um corpo estranho na natureza humana, por isso, deve ser evitado e exterminado. Em realidade, manter uma vida virgem (sem contato sexual) não é anti natura visto que não é uma agressão do próprio homem a sua natureza. Do mesmo modo se pode dizer daquele que decide ser celibatário, ele não esta optando (livremente) por desfigurar sua natureza humana, pois isto pediria que ele negasse a realidade sexual em si mesmo, algo impensado em quem entende o que é o celibato.Jesus Livre para o Reino

Existe um impecílio que dificulta a compreensão deste “estilo” de vida optado, é a compreensão do que motiva alguém a desejar viver a virgindade ou o celibato. Aquele que decide viver assim, têm que ter esta compreensão sobre esta estado de vida, senão pode não conseguir sustentar sua escolha. É pelo Reino de Deus que se priva das relações carnais desejando viver agora sua sexualidade em outro plano, no puro e exclusivo amor a Deus. Como dito antes, não é uma conclusão de que a relação humana (principalmente o ato sexual) seja reprovado e considerado um defeito, nem mesmo que o matrimônio seja uma impureza. Mas é a livre escolha em se privar de algo por um amor maior. Quem vive a virgindade e o celibato não perdem nada, na verdade ganham em sentir-se mais livres para amar somente a Deus.

O Bem-aventurado João Paulo II, escreveu em seu documento sobre a família e sua função no mundo de hoje (1981), uma pequena reflexão sobre este assunto que nos auxilia no esclarecimento.

A virgindade e o celibato pelo Reino de Deus não só não contradizem a dignidade do matrimônio, mas a pressupõem e confirmam. O matrimônio e a virgindade são os dois modos de exprimir e de viver o único Mistério da Aliança de Deus com o seu povo. (Familiaris Consortio 16)

Nos dizeres do bem-aventurado Santo Padre, aquele que compreendeu a beleza da virgindade e do celibato e se sentem atraidos por viver este estado de vida, não são pessoas onde não estava a inclinação ao matrimônio. Estas pessoas compreendem que a virgindade e o celibato pressupõe a dignidade deste sacramento de amor realizado na união do homem e da mulher, e por isso dão mais valor ainda ao estado que buscam viver por amor ao Reino.

Diz ainda o bem-aventurado:Perola preciosa

Tornando livre de um modo especial o coração humano, ‘de forma a inebriá-lo muito mais de caridade para  com Deus e para com todos os homens’, a virgindade testemunha que o Reino de Deus e a sua justiça são aquela pérola preciosa que é preferida a qualquer outro valor, mesmo que seja grande, e, mais ainda, é procurada como único valor definitivo. É por isso que a Igreja, durante toda a sua história, defendeu sempre a superioridade deste carisma no confronto com o do matrimônio, em razão do laço singular que ele têm com o Reino de Deus. (FC 16)

Esta superioridade de que fala João Paulo II esta justamente no fato ser algo na contramão do que a humanidade tenta valorizar cada vez mais levando homens e mulheres a exterminar de sua sexualidade a relação com o divino e natural. Por isso é que existe esta superioridade enquanto modo de caminhar mais livre ao Reino de Deus, sem excluir as imperfeições humanas que também se fazem presentes neste estado. Com a virgindade e o celibato o ser humano esta com o coração mais aberto ao transbordamento do amor a Deus e pelos outros, é uma decisão radical de doação a Deus, mas que se acaba manifestando no amor total aos irmãos.

Nenhum comentário: