Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quinta-feira, 26 de julho de 2012

São Joaquim e Sant'Ana

Eclo 44,1.10-15 Mt 13,16-17

Pe. Valderi da Silva

Hoje, alegremente lembramos de São Joaquim e Sant'Ana, os pais de Maria Santíssima. São certamente figuras singulares dentro do Novo Testamento, pois são a imagem do fiel do Antigo Testamento. Judeus firmes em sua fé, generosos na acolhida da Palavra de Deus, foram escolhidos por Deus para gerarem aquela que traria ao mundo o Salvador.Sao Joaquim e Santa Ana

Apesar de quase pouco se saber deles, pela Sagrada Escritura, a Igreja louva este casal que passa a ser para nós, mais um modelo de família desenvolvida e realizada em torno de Deus. Por isso ser tão conveniente esta leitura do Eclesiástico, pois se trata de um elogio daquelas pessoas “famosas” pela santidade de vida, e podemos estender estas palavras a todos aqueles que vivem com coragem a honestidade e a fé.

Vemos nestes pais de Maria Santíssima, pessoas que optaram por viver como os mais célebres antepassados, tementes a Deus. Deste modo, se relacionavam como marido e esposa procurando sempre viver o amor proveniente de Deus, pois, de outra forma, como passariam tamanha sensibilidade amorosa a sua filha Maria? Em poucas palavras podemos refletir, olhando para este casal, de quem nem sabemos de suas atividades, sobre a própria vivência dos cônjuges diante de Deus e da sociedade.

Não querendo forçar a Sagrada Escritura, querendo tirar dela o que não se têm, precisamos perceber que o que percebemos de Joaquim e Ana são os reflexos visíveis em Maria, sua filha que traria ao mundo o Filho de Deus. Contudo, se faz necessário olhar para eles como aqueles judeus piedosos, que cumprindo fielmente a Lei também eram sensíveis a voz de Deus, que certamente já lhes pedia muito antes de nascer Maria, que fossem fieis testemunhas da misericórdia do Senhor. Isto leva a pensar justamente, que tanto Joaquim como Ana, viviam estas virtudes tão apreciadas por Jesus, a misericórdia e a bondade. Como diz o Eclesiástico: estes são homens de misericórdia; seus gestos de bondade não serão esquecidos (Eclo 44,10). Isto podemos dizer deles porque Maria, sua descendência nos mostra com sua vida de misericórdia e de amor visíveis nos Evangelhos. É justamente, olhando para a descendência de Joaquim e Ana que vemos sua bem aventurança, sua santidade: eles permanecerão com seus descendentes... a descendência deles mantêm-se fiel às alianças (Eclo 44,11-12).

Quem não desejaria deixar no mundo a sua mais bela imagem fixada nos filhos? Nossas famílias são convidadas por Deus a fazer deste exemplo de Joaquim e Ana, um ideal para sua vida familiar, educar de tal forma os filhos que já não esteja somente neles sua figura, mas também nos filhos. Em realidade, esta imagem, para ser realmente valiosa deve ser, em última instância, imagem de Deus, reflexo de sua santidade manifestada através de seus filhos.

Os pais de Maria são bem aventurados por serem instrumentos para a realização dos planos de Deus. Mas esta bem aventurança se completa ao terem a visão que muitos desejavam e que certamente, muitos desejariam ter: felizes sois vós, porque vossos olhos vêem e vossos ouvidos ouvem. Em verdade vos digo, muitos profetas desejaram ver o que vedes, e não viram, desejaram ouvir o que ouvis, e não ouviram (Mt 13,16-17). Esta felicidade, muito provavelmente, tiveram o casal que hoje lembramos. Talvez até, puderam acompanhar alguns anos do crescimento de Jesus, algo que deveria encher-lhes de amor a Deus, mesmo que na incerteza da missão desta criança (cf. Lc 1,66).

Esta memória, nos deve mover a dar graças a Deus pelo Seu imenso amor, que providencialmente pensa na felicidade de seus filhos, dando-nos homens e mulheres que mostram-nos a real capacidade do ser humano de descartar plenamente o pecado e servir somente a Deus.

No plano divino da salvação, Joaquim e Ana não são menos importantes para o nascimento de Jesus. Deles nos vêm Maria Santíssima, que contou com a educação e cuidados destes pais, levando-a a crescer na sensibilidade espiritual a Deus, deixando o caminho preparado para que Ele pudesse se manifestar à Virgem de Nazaré.

Nenhum comentário: