Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quinta-feira, 26 de julho de 2012

O que vai mal no mundo? [III]

Falava da alma como voltada para Deus desde sua criação (O que vai mal no mundo? [I]), o que para alguns ainda é difícil de ser aceito, veja-se o exemplo de alguns “ateus” que negando a existência de um deus negam que a alma – que a maioria aceita ser existênte, mesmo que confundida às vezes com o espírito humano – possa ter este direcionamento natural ao seu criador. Aqui se trata de uma negação apriori de Deus mas que têm como consequência a negação da existência da alma, pois não existe um conceito para ela que exclua a possibilidade de um deus.
Dizia também (O que vai mal no mundo? [II]) que nossa visão sobre este tema pode ir da alma – nosso “mundo” – até Deus e até nós mesmos, sendo que este direcionamento natural à Deus nasce da própria natureza da alma, que é tirada do ser eterno e puro de Deus.
Nos dedicando a visão deste mundo que  nos leva a nós mesmos, podemos nos perguntar como já o fizemos anteriormente, se não seria mais adequado falar primeiro de nossa direção aos outros seres humanos, talvez baseados na experiência cristã. No entanto, repito o que já mencionei, precisamos ver – esta é a intenção desta reflexão – a relação que o ser humano corporal têm com sua alma pessoal e qual o valor desta relação.
O leitor pode notar que me refiro algumas vezes a alma como nosso “mundo”, isto é intencional. Penso ser nossa alma tão abrangente – como por vezes se pode perceber na sensibilidade desta pela beleza – que, restringí-la sob qualquer pretexto de conceituação ou rigorismo linguístico, seria como apresionar um pássaro para o analisar, isto é, não se pode compreender o pássaro em sua totalidade se esta restringido em sua liberdade, que se manifesta justamente por poder voar livremente. Neste exemplo se apresenta uma dificuldade que logo associo a alma criada por Deus: perceber esta totalidade da alma e analisá-la é algo muito difícil, pois exigiria voar junto com o pássaro, “ser alma” para compreender a alma. Por isso, não ouso pretender dar uma explicação da alma, mas aproximar-se do reto cuidado que cada homem e mulher deve ter com sua alma.
Neste ponto chegamos ao motivo de escrever sobre a alma até nós, ou seja, numa direção de compreensão, ver a alma em relação do corpo humano e como ela sente-se aí. São Paulo nos deixa entender que a alma é como uma prisioneira dentro deste corpo perecível (cf. IICor 5,6 em comparação com o exílio no corpo), mas isso não quer dizer algo ruim, como se tivêssemos que viver com este fardo inevitável! Nossa alma esta aqui, revestida de um corpo perecível, mas que a completa, pois não seremos só alma na prometida vida nova depois do juízo final (CIC 1042; também recomenda-se ler sobre o juízo final nos nn. 1038-1041), viveremos com nosso corpo que outrora era mortal, mas que agora ressuscita por força de Jesus Cristo.
Por que a alma está ansiosa por Deus, se o corpo a completa? Porque neste mundo algo não a deixa viver sua realização, porque sente um “incomodo” e porque sabe que o corpo que a revesti permite este “mal-estar”. Fica claro quando chamamos este “incomodo”, “mal-estar” pelo seu nome, pecado. Existe uma inteligência na alma, e por isso entende que o mal entrando no coração humano, modelando seu caráter e afetando seu espírito, estará pondo em risco sua vivência junto Daquele que a chama para Si deste sua criação. É por este motivo que a alma, ao mesmo que sabe da importância do corpo material para lhe complentar, vira-se constantemente para Deus.
Disse que existe uma inteligência na alma, pois ela inatamente inclina-se para Deus, mas precisa esclarecer esta inclinação, pois estando no corpo, sente a necessidade de conhecimento de si e de seu fim. Este conhecimento é a tarefa primeira de nossa vida corporal que junto entendo estar a recusa constante do mal e a prática do que favorece a alma.
[continua]
____________________________
*Siglas:
CIC, Catecismo da Igreja Católica.
IICor, Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios.

Nenhum comentário: