Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Sexta-feira – 2Rs 25,1-12 Mt 8,1-4

XII Semana do Tempo Comum

Pe. Valderi da Silva

A imagem desoladora do povo de Jerusalém sendo atacada e tendo seu rei preso, traz a mente as mazelas que os seres humanos podem infligir contra seus irmãos. É certo que Nabucodonosor, juntamente com seu exército, agia sobre o povo de Deus como que sendo manifestação do descaso deste povo a seu Deus, como consequência da rebeldia a Sua vontade e mesmo a má utilização da fé na Aliança. O povo recebia os sofrimentos consequentes dos atos de uma vida que tenta calar a voz de Deus, que desdenha e impede que Deus guie o caminhar humano.

Os profetas foram calados pelo povo e autoridades daquele tempo, mas hoje não podemos nos ver em um estado totalmente oposto, ou seja, onde a voz de Deus é ouvida sem restrição e com plena vontade. Sentimos o quanto a voz de Deus expressa pela boca da Santa Igreja, é alvo constante de censura e indiferença, por parte das autoridades e do povo. Quando se pretende limitar a verdade da Palavra de Deus ao templo e aos fiéis, se tenta não menos que sufocar aquela que tenta sempre fazer prevalecer a verdade, moral e humana além da anunciar a verdade sobre o próprio Deus. Nesta imagem que a primeira leitura nos oferece, percebemos o quanto pode sofrer uma sociedade que faz calar a voz de Deus, que desdenha os mandamentos daquele que sustenta a guia o ser humano.

Esta atitude perigosa de recusa e indiferença a Deus é perceptível também na esfera individual, onde cada homem e mulher pode em ser íntimo acreditar que Deus não lhe faz mais falta, que sua vida pode ser guiada e alcançar a “felicidade” ser Sua participação. É a entronização do homem como senhor e salvador de si mesmo, uma atitude totalmente autossuficiente, alimentada pelo egoísmo e vaidade. Em realidade, é consequência de um não cultivo da fé recebida, uma atitude como esta cresce desde criança até que chega a sua maturidade quando declara abertamente que na sua vida Deus não existe.Jesus cura leproso

Uma demonstração contrária desta indiferença a Deus, esta no evangelho de hoje. Os doentes recorrem a Cristo porque veem Nele aquele que os pode livrar do mal que os aflige. Este leproso sente a necessidade de Deus e o procura. Certo que o doente procura o médico em razão de seu sofrimento, enquanto aquele que não sofre nada pode se desfazer de Deus, pois não sente no corpo o sofrimento que o doente têm. Mas aí se encontra a ilusão, pensar que não estamos doentes mesmo que não sintamos dores como um enfermo. A doença que é mais letal que uma gripe ou similar é o pecado, algo que é necessário reconhecer para se perceber a necessidade de Deus. Parte desta negação de Deus que assistimos em nossa sociedade é fruto desta crise do conceito de pecado, mas também crise da falta de reconhecimento da gravidade do mesmo. Somente uma profunda compreensão da inclinação ao mal que faz o homem pecar como também da grave consequência deste pecado pode fazer uma sociedade voltar seu olhar novamente a Deus e assim precaver-se de um destino de sofrimento.

Como sempre o que nos alenta apesar das tormentas contemporâneas, são as palavras de Cristo, como as que disse ao leproso: Eu quero, fica limpo (Mt 8,3). Deus nos quer salvar, por isso atende sempre aquele que de coração puro e intenção sincera o procura para o socorro. Ele quer ver-nos limpos, puros, pois sabe que somente a dignidade da pureza pode ser ingresso para o Reino dos Céus.

Nenhum comentário: