Destaque:

A retrospectiva de Brás Cubas

Tenho grande apreço por Machado de Assis, pois acredito que sua contribuição para a Literatura Brasileira foi muito além de incrementar ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quarta-feira, 2 de maio de 2012

São Felipe e São Tiago, o menor

1Cor 15,1-8 Jo 14,6-14
Valderi da Silva
Estimados irmãos e irmãs em Cristo.
É com grande alegria que a liturgia da Igreja nos apresenta neste dia dois apóstolos, Felipe e Tiago, chamado de “o menor”. Com a memória destes dois apóstolos somos convidados a refletir sobre a missão destes homens que fizeram, com coragem e fé, crescer a Igreja de Cristo pelo mundo antigo.

Paulo: vivei a pregação recebida
Paulo, nesta leitura da carta a comunidade dos Corintios, adverte-os para que todos aqueles que receberam sua pregação guardem-na e vivam-na conforme o que aceitaram dela. Não que Paulo estivesse ousando em dizer que sua pregação é que salva, mas têm plena consciência de que tudo que diz, não é dele, aliás, nem é ele quem diz, é Cristo Jesus. Paulo esta tão configurado com o Senhor, que fala aos homens como Cristo mesmo, e ele têm consciência disso. Aliás, é prerrogativa de todo apóstolo estar plenamente configurado ao Mestre ao ponto de usar palavras como experiências vivas deles mesmos.

O valor dos apóstolos e sua pregaçãoSao Felipe e Sao Tiago
A importância dos apóstolos esta justamente no testemunho vivo q ue eles dão de Cristo, pois estiveram com Ele, viveram com Ele, comeram com Ele, escutaram de Sua boca a mensagem que agora anunciam. E mais: viram o ressuscitado! Sua pregação era a mais viva e real, e sabendo disso, exortavam a todos que atendessem perfeitamente suas palavras. Palavras que saiam de suas bocas mas que haviam entrado em seus corações ao saírem da boca de Cristo. O testemunho deles foi vital para o crescimento da Igreja nascente, pois dava força a sua pregação. Mas o que pregavam os apóstolos? Diz Paulo: Que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras; que foi sepultado; que, ao terceiro dia, ressuscitou, segundo as Escrituras; e que apareceu a Cefas e, depois, aos Doze. Mais tarde, apareceu a mais de quinhentos irmãos, de uma só vez (1Cor 15,3-6). O núcleo da fé, este era o material da pregação dos apóstolos, e isto fizeram por todos os lugares por onde conseguiram passar, e ali semearam o Evangelho.

Mostra-nos o Pai
Estes apóstolos estiveram com Cristo e Dele puderam escutar as palavras mais esclarecedoras a respeito da Divindade de Deus em suas pessoas, ou seja, o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Escutamos neste evangelho Felipe pedir a Jesus para que Ele mostre-lhes o Pai, mas Felipe neste momento, faz este pedido por não ter compreendido bem ainda a unidade existente entre o Pai e o Filho. Estas duas pessoas juntamente com o Espírito Santo é o um só e único Deus, por este motivo Jesus lhe responde com certo tom de decepção: há tanto tempo estou convosco, e não me conheces Felipe? (Jo 14,9b) Pois quem conhece a Cristo, conhece igualmente o Pai e o Espírito Santo, por motivo de serem o mesmo Deus, ou seja, terem as mesmas qualidades, os mesmos atributos. Quem me viu, viu o Pai (Jo 14,9b), e assim, não pode mais dizer a Jesus que ainda não conhece o Pai. Nossa fé em Deus nos deve abrir a consciência para esta realidade divina. Ao mencionarmos qualquer atributo em Jesus, estamos falando igualmente do Pai e do Espírito Santo, sem desejar anular suas “personalidades” como pessoas divinas distintas. Pode ser duro e por isso difícil conceber esta realidade em nossa fé, mas faz parte da misteriosa vida de Deus. Podemos neste momento fazer ressoar a pergunta de Jesus a Felipe em nosso coração: não acreditais que eu estou no Pai e o Pai está em mim? (Jo 14,10).

A fé dos apóstolos
Através desta pergunta podemos compreender mais sobre a fé que moveu os apóstolos, como Felipe e Tiago, após o envio de Jesus. Em realidade deveria ecoar em seus corações estas outras palavras de Cristo: quem acredita em mim fará as obras que eu faço, e se ainda não fosse o suficiente realizar as mesmas obras que Jesus realizou, faram ainda maiores do que estas (Jo 14,12). É esta fé dos apóstolos que motorizou suas vidas, que os impulsionou no caminho incerto dos povos que ainda não haviam conhecido a Deus, agora com a compreensão de Seu Filho Jesus.

Diz Tertuliano, um escritor cristão do século III, que em cada cidade por onde passaram fundaram Igrejas, nas quais outras Igrejas que se fundaram e continuam a ser fundadas foram buscar mudas de fé e sementes de doutrina (Do Tratado sobre a prescrição dos hereges. Cap.20,1-9;21,3;22,8-10). Este testemunho de Tertuliano, mostra que o trabalho dos apóstolos não foi infecundo, logo que pregavam em alguma comunidade faziam nascer ali o desejo de viver esta fé que lhes transmitiam.
Olhando para são Felipe e são Tiago, pedimos a Deus Pai que olhe por nossa necessidade de compreender sempre mais nossa missão de “enviados”, como os apóstolos. Que o Espírito Santo nos possa inspirar a maneira como exercer esta missão no mundo, e igualmente suplicamos a Jesus Cristo que aumente nossa fé para estarmos sempre aptos a testemunhar o Cristo Ressurgido, que veio nos trazer a salvação.

Nenhum comentário: