Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Quinta-feira – At 18,1-8 Jo 16,16-20

VI Semana do Tempo Pascal

Pe. Valderi da Silva

O ministério de Paulo é incessante, não desanima no trabalho apostólico de anúncio do Evangelho. Mesmo sentindo a necessidade de fazer algum trabalho manual para garantir o sustento, sabe que sua tarefa principal é a evangelização dos povos.

Ele ainda se dedica ao contato com os judeus, nas sinagogas. A exemplo de seus irmãos na missão apostólica, ainda vê a necessidade de transmitir a este povo a quem Deus outrora escolhera como povo eleito, a revelação transmitida por Jesus Cristo. De fato, o povo judeu sempre foi alvo primeiro do anúncio do evangelho, isto por dois motivos – resumidamente:

    1. O povo judeu já têm em si a semente da fé no Deus único, e para eles não seria tão difícil aceitar o esclarecimento desta fé e também a complementariedade que o próprio Messias trouxe a respeito de Deus e do homem.

    2. E depois, para os cristãos é importante o valor que este povo possui como povo eleito da Antiga Aliança. Por este motivo, é preciso transmitir-lhes por primeiro a Boa Nova, como forma de justiça por aqueles que sempre – mal ou bem – preservaram a fé em Deus.

Paulo tenta, considerando estes motivos, pregar aos judeus mesmo compreendo que Jesus lhe transmitira uma missão que vai além do povo judaico. Este Apóstolo encontra resistência deste povo e motivado por estas “blasfêmias e resistência” resolve dedicar-se a conversão dos povos pagãos.

Nesta imagem bíblica de Paulo, tentando anunciar o Evangelho ao povo judeu na sinagoga, podemos ver a própria comunidade cristã que muitas vezes pode ser espelho desta reação dos judeus com Paulo. Talvez não blasfemando, mas oferecendo resistência as palavras que Cristo inspira a seus pregadores, oferecendo resistência ao próprio Deus que, através da escuta de Sua palavra e da pregação de Seus ministros, pode transmitir Sua graça.

No evangelho de hoje, Cristo faz menção de sua partida ao Pai e ao mesmo tempo antecipa aos discípulos que Sua ausência será motivo de tristeza para eles, mas que esta tristeza que eles sentiram, surgirá por algo que trará felicidade a toda a terra, pois, é pela Sua partida que ficarão tristes e pela mesma partida é que o mundo será invadido pelo Espírito Paráclito.

Sua forma física e visível estará ausente do convívio dos discípulos, mas Sua forma espiritual permanecerá para sempre e é esta que impulsionará a vida cristã, que fará os apóstolos e discípulos anunciarem o Evangelho e viverem como cristãos, ou seja, seguidores de Cristo.

Podemos dizer que hoje seguimos neste sentimento de “tristeza” pela partida de Jesus para junto do Pai, não que tenhamos O visto em Sua forma física e visível, mas pelo motivo de que este sentimento que os discípulos tiveram nos deve impulsionar a viver em Sua forma espiritual, isto é, viver com e através do Espírito Santo. Assim, vivendo como o Espírito nos inspira, transformamos a “tristeza” de não O ver e sentir, em alegria de viver com Deus.

Nenhum comentário: