Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Adoração da Cruz [IV]

Só a ti isto foi dado: ao Salvador sustentar

e a todos que hão naufragados ao porto eterno levar,

pois o Cordeiro, imolado, quis o teu tronco sargrar.

Mais elevada em dignidade, entre as criaturas inanimadas não existe. Este lenho que foi escolhido para sustentar o corpo do Salvador dos homens, é a figura que Deus quis usar para também mostrar que é Senhor do mundo inteiro, de todas as criaturas e que Sua oferta generosa e iniqualável trará a restauração do universo, das criaturas animadas e inanimadas. Este lenho, banhado com o sangue do Cordeiro, se reveste de glória entre as criaturas, pois a quem mais o Senhor do universo se dignou deitar dando o último expiro?

Este lenho agora é adotado por Nosso Senhor, a Ele não mais se separará enquanto o mundo inteiro não estiver livre do pecado. Este lenho em forma de cruz, se transforma em indicação, seta a apontar o caminho do Céu. Em realidade ele é a mostra mais viva para nós de que não é possível passar para o Reino dos Céus sem conviver com a cruz, sem conviver com a dor e o sofrimento. Eles são momentos necessários para o crescimento do ser humano além de serem meios eficazes de fortalecimento contra a força do mal.

Evidentemente, não se pode ficar neste estado de sofrimento, ele é momento, passagem necessária mas não duradoura. Carregamos a cruz do pecado, mas sempre somos libertos dela ao pedirmos perdão a Deus no sacramento da confissão. Precisamos é ter a capacidade de viver no estado de graça, isto é, estado daquele que carregou a cruz do pecado cometido, mas ao pedir o perdão sacramental, se esforça por não mais pecar.

Louvor e glória ao Deus trino, fonte de luz, sumo bem.

Ao Pai e ao Filho divino louvor eterno convêm.

Ergamos todos um hino ao que de ambos provêm. Amém.

Nenhum comentário: