Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Adoração da Cruz [III]

Já tendo o tempo cumprido da sua vida mortal,

só pelo amor impelido, numa oblação sem igual,

na dura cruz foi erguido, nosso Cordeiro Pascal!

Somente esta estrofe encerra em si o resumo da grande obra que assombrou o céu. São João nos diz o que está transmitido nestas linhas: antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que tinha chagado a sua hora, hora de passar deste mundo para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim (Jo 13,1). Passado o tempo conveniente para a semeadura da Vontade Divina para os homens, Cristo, o Filho de Deus, enviado do Pai, age por extremo amor no ato definitvo para nossa salvação.

Este amor eterno de Deus pelos homens, que Nele é perfeito, sem reservas nem sentimento retribucionista, é o grande amor que este Jesus, Cordeiro Pascal, quer formar em cada indivíduo. Seu erguimento no madeiro da cruz, acima dos olhos de todos, revela a dimensão que deseja que o ser humano tenha em seu amor a Deus e aos irmãos: uma dimensão sem limites, que é capaz de entregar a vida, gastar a vida. Aquele que consegue viver este amor de Cristo não vive mais para si, pois o amor leva a pessoa que ama, a sempre estar fora de si, pois o amor encontra sua expressão fora do indivíduo.

Analogamente podemos dizer que este ato do amor que age no ser humano, que o faz sair de si em procura do outro, é correspondente a relação amorosa da comunidade trinitária, onde o Pai ama o Filho, o Filho ama o Pai, e os dois agindo neste intercâmbio de amor eterno, perfeito, transbordam este amor na Pessoa Divina do Espírito Santo. O Amor Personificado da relação divina.

Cravaram-lhe os cravos tão fundo, seu lado vão traspassar;

já corre o sangue fecundo, a água põe-se a brotar;

estrelas, mar, terra e mundo, a tudo podem lavar!

Este amor perfeito e sem limites de Jesus, o leva a expressar-se no alto do madeiro. Lá encontra o escárnio e o desprezo do ser humano pelo amor, ignorância do ato amoroso de Deus na busca de suas ovelhas perdidas pelo pecado. Movidos pelo ódio ao Amor, o agridem e tentam o desvestir da dignidade humana que mesmo sendo possível, não o desfiguraria em sua imagem divina. Cravam-lhe pregos nas mãos e nos pés, sinal de que o homem, imerso no pecado, não suporta ver a liberdade do Amor, precisa prendê-lo em algo, ter a segurança de que tal Amor não andará livre pelos caminhos do mundo.

Igualmente ferem seu lado que imediatamente libera sangue e água, líquido fecundo, que banha a terra, mas inunda de esperança os que temem a Deus e procuram diante da dor do Cristo na cruz o sinal da Salvação. A criação foi lavada pelo sangue e água de Cristo, toda ela aguardava ansiosamente o dia da regeneração pelo sangue do Cordeiro.

Inclina, ó árvore, os ramos, acolhe o teu criador;

para o que em ti nós pregamos, do tronco abranda o rigor;

para o rei que hoje adoramos sejas um leito de amor!

Nosso amor a Cristo nos impele a tentarmos reparar os maltratos sofridos por Jesus. Em realidade, sabemos que seu sacrifício foi necessário para nossa salvação, mas ao nos colocarmos diante da cruz sempre aparece-nos o anseio de pedir perdão a Deus por termos levado Cristo ao padecimento na cruz.

O desejo de reparação pela paixão de Cristo, nasce de nossa consciência de que foram nossos pecados que levaram o Cristo a sofrer tudo  o que passou até a hora de sua morte. O pecado é o real motivo propulsor que levou Nosso Senhor ao sofrimento, de modo que em nosso desejo de reparação devemos sempre o consolidar no firme propósito de não mais ceder ao pecado, pois se ainda o fazemos estamos a cada dia contribuindo para a crucificação de Jesus, e assim como sua Eucaristia é atualizada na Santa Missa, Seu sofrimento também é trazido novamente a cada pecado que o ser humano comete.

Por isso, o hino pede ao lenho que seja o leito de amor do Cristo. Enquanto a humanidade inteira estiver conivente com o pecado, Cristo permance junto a Sua cruz.

Nenhum comentário: