Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

sexta-feira, 27 de abril de 2012

MARIA E A RESSUREIÇÃO*

Mons. João S. Clã Dias, EP

Em seus relatos sobre a Ressureição nada dizem os Evangelistas a respeito de Maria Santíssima. Entretanto, não é possível imaginar a Mãe do Redentor ausente desses acontecimentos.

Enquanto o corpo de Jesus repousava no sepulcro, os Apóstolos certamente sentiam, por um misterioso instinto, que a história do Homem Deus não podia estar concluída com aquela morte, mas não chegavam a imaginar a anunciada Ressurreição. Como supor, com efeito, que Jesus aceitaria o desafio lançado pelo mau ladrão: “Se és Cristo, salva-Te a Ti mesmo” (Lc 23,39)? Porque se o fato de um vivo ressuscitar um morto – como Ele fizera com Lázaro – já resultava inteiramemte incomum, quanto mais o seria alguém sair dos abismos da morte pelas próprias forças, dizendo só seu corpo: “Levanta-te!”.

A Santíssima Virgem, porém, não tinha a esse respeito a menor fímbria de dúvida. Na noite do Sábado Santo, afirma Plínio Correia de Oliveira, “somente Nossa Senhora, em toda a face da Terra, teve um Fé completa e sem sombra de dúvida na Ressurreição. […] A cada minuto que passava, de algum modo a espada da saudade e da dor penetrava ainda mais seu Coração Imaculado. Mas, de outro lado, havia a certeza de uma grande alegria da vitória que se aproximava. Esta concepção A inundava de consolação e gáudio”.

Dr. Plínio acrescenta que Nossa Senhora “representou nessa ocasião a Fé da Santa Igreja e, por assim dizer, sustentou o mundo, dando continuidade às promessas evangélicas, pois, se não houvesse Fé sobre a face da Terra, a Providência teria encerrado a História. Maria foi a Arca da Esperança dos séculos futuros. Ela teve em Si, como numa semente, toda a grandeza que a Igreja haveria de desenvolver ao longo dos séculos, todas as realizações do Novo; tudo isto dentro da alma de Nossa Senhora”.1

Para termos uma visão mais completa desse grandioso panorama, cabe lembrar que, segundo a opinião de renomados mariólogos, Cristo Sacramentado jamais deixou de estar presente em Maria Santíssima desde a Santa Ceia até a sua Assunção ao Céu. Toda vez que Ela comungava, renovavam-se em seu coração as Sagradas Espécies, tornando-A um tabernáculo permanente da Eucaristia.2

Ora, estando Cristo realmente presente na Santíssima Hóstia, Nossa Senhora deve ter sentido de algum modo, em seu interior, a Alma e o Corpo de Jesus separarem-Se no momento da sua morte, enquanto a Divindade continuava unida a ambos. Pois, como explica o Doutor Angélico, “tudo o que pertence a Cristo segundo seu próprio ser, pode ser atribuído a Ele enquanto existe em sua própria espécie e no Sacramento, a saber, viver, morrer, sofrer, ser animado e inanimado, etc.”3

Esse fenômeno pungente e misterioso supera nossa capacidade de compreensão. No Cenáculo, Maria Santíssima recebeu “o mesmo e verdadeiro Corpo de Cristo, que então era visto pelos discípulos sob a própria figura e era tomado na espécie do sacramento”. Ele, afirma São Tomás, “não era impassível na forma em que era visto sob sua figura, muito pelo contrário estava preparado para a Paixão. Por isso, nem era também impassível o Corpo que se entregava sob a espécie do Sacramento”.4

Nossa Senhora havia comungado o Corpo de Cristo padecente, e tendo-O custodiado durante toda a Paixão, os sofrimentos do seu Divino Filho reproduziram-se simultaneamente de algum modo no seu interior. E no mesmo momento em que Ele ressuscitava no Santo Sepulcro, ressuscitava também na Sagrada Hóstia presente em Maria.

Qual não terá sido o seu gáudio ao sentir misticamente em Si a Alma de Jesus unir-se de novo ao Corpo, e Ele Se apresentar agora mais glorioso do que antes da morte? Bem arquitetônico seria que nesse exato momento Nosso Senhor Lhe aparecesse fisicamente para consolá-la, pois Ela fora a Corredentora e compartilhava todos os sofrimentos da Paixão.

__________________________________________________________________

*REVISTA ARAUTOS DO EVANGELHO. N.124 (Abril de 2012), p.16-17.

1CORRÊA DE OLIVEIRA, Plínio. Uma devoção da cristandade... In: Dr. Plínio, São Paulo, Ano XIII. N.145 (Abril 2010); p.34.

2O Pe. Faber, por exemplo, dá por certa a permanência das Espécies Eucarísticas em Maria durante todo o tempo da Paixão, e admite “sem nenhuma dificuldade” que esse privilégio possa ter se prolongado até o fim da sua vida terrena (FABER, Frederick William. O Santíssimo Sacramento. Petrópolis:Vozes, 1939, p.468-469). O Pe. Roschini, do seu lado, lembra que diversos escritores ascéticos são dessa opinião, na qual nada vê de improvavel (cf. ROSCHINI, OSM, Gabriel. Instruções Marianas. São Paulo:Paulinas, 1960, p.154). Em nossa opinião, não cabe dúvida sobre este assunto, visto o princípio mariológico de eminência, assim formulado pelo Pe. Royo Marín: “Qualquer graça ou dom sobrenatural concedido por Deus a algum santo ou criatura humana, concedeu Ele também à Virgem Maria da mesma forma, em grau mais eminente ou de modo equivalente” (ROYO MARÍN, OP, Antonio. La Virgen María. Madrid: BAC, 1968, p.48).

3SÃO TOMÁS DE AQUINO. Suma Teológica. III, q.81, a.4.

4Idem, III, q.81, a.3.

Nenhum comentário: