Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

domingo, 1 de abril de 2012

DÉCIMA TERCEIRA ESTAÇÃO: Jesus é descido da Cruz e entregue a Sua mãe

Os soldados foram e quebraram as pernas ao primeiro e também ao outro que tinha sido crucificado juntamente com Ele. Mas, ao chegarem a Jesus, vendo que já estava morto, não Lhe quebraram as pernas. Porém, um dos soldados traspassou-Lhe o peito com uma lança e logo brotou sangue e água. Aquele que viu estas coisas é que dá testemunho delas e o seu testemunho é verdadeiro. E ele bem sabe que diz a verdade, para vós crerdes também. (…) Depois disto, José de Arimateia, que era discípulo de Jesus, mas secretamente por medo das autoridades judaicas, pediu a Pilatos que lhe deixasse levar o corpo de Jesus. E Pilatos permitiu-lho. Veio, pois, e retirou o corpo.

(Do Evangelho segundo João 19, 32-35.38)

V. Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi.
R. Quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

Cristo, morto na cruz, é visto como derrotado, como alguém que não conseguiu atingir o que pretendia. Mas o que Cristo pretendia?! Em nossa mente, tão formada segundo a relatividade das coisas, não consegue compreender perfeitamente o significado profundo das atitudes de Deus, ainda nos é difícil ter a certeza de que conseguimos enxergar os desejos de Deus no curso da história. O certo é que aquele que morreu na cruz, não saiu dali derrotado, vencido, pois não se pode declarar derrotado quem se entregou voluntariamente nas mãos da morte.

Jesus morreu, o seu coração é trespassado pela lança do soldado romano e dele brotam sangue e água: misteriosa imagem do rio dos sacramentos, do Batismo e da Eucaristia, dos quais, em virtude do coração trespassado do Senhor, renasce incessantemente a Igreja.

E não Lhe são quebradas as pernas, como aos outros dois crucificados; deste modo Ele aparece como o verdadeiro cordeiro pascal, ao qual nenhum osso deve ser quebrado (cf. Ex 12, 46).

E agora que tudo suportou, vemos que Ele, apesar de toda a confusão dos corações, apesar do poder do ódio e da covardia, não ficou sozinho. Os fiéis existem. Junto da cruz, estavam Maria, sua Mãe, a irmã de sua Mãe, Maria, Maria de Magdala e o discípulo que Ele amava.

(Via Sacra. Meditações e Orações pelo Cardeal Joseph Ratzinger, 2005)

O Senhor sabia que na hora do sofrimento, estaria sujeito a solidão. Temos esta fraqueza em nossa natureza, é o amedrontamento diante de uma situação extrema, nestes momentos batem mais forte os sentimentos de egoísmo e “sobrevivência” que não nos permite ficar ao lado de quem precisaria ao menos de consolo. Este amedrontamento acontece diante da morte, principalmente. É diante dela que muitos se vêem ínfimos e passageiros neste mundo, algo que fere seu desejo de “eternidade” neste mundo.

… chega também um homem rico, José de Arimatéia: o rico encontra modo de passar pela buraco de uma agulha, porque Deus lhe dá a graça. Sepulta Jesus no seu túmulo ainda intacto, num jardim: o cemitério onde fica sepultado Jesus transforma-se em jardim, no jardim donde fora expulso Adão quando se separara da plenitude da vida, do seu Criador.

O túmulo no jardim faz-nos saber que o domínio da morte está para terminar. E chega também um membro do Sinédrio, Nicodemos, a quem Jesus tinha anunciado o mistério do renascimento pela água e pelo Espírito. Até no Sinédrio, que tinha decidido a sua morte, há alguém que acredita, que conhece e reconhece Jesus após a sua morte.

Sobre a hora do grande luto, da grande escuridão e do desespero, aparece misteriosamente a luz da esperança. O Deus escondido permanece, em todo o caso, o Deus vivo e próximo. O Senhor morto permanece, em todo o caso, o Senhor e nosso Salvador, mesmo na noite da morte. A Igreja de Jesus Cristo, a sua nova família, começa a formar-se.

(Via Sacra. Meditações e Orações pelo Cardeal Joseph Ratzinger, 2005)

Nenhum comentário: