Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quinta-feira, 8 de março de 2012

SEGUNDA ESTAÇÃO: Jesus é carregado com a cruz

Então, os soldados do governador levaram Jesus consigo para o Pretório e reuniram junto d'Ele toda a companhia. Depois de O terem despido, envolveram-n'O em um manto encarnado. Teceram uma coroa de espinhos, que Lhe puseram na cabeça, e, na mão direita, colocaram-Lhe uma cana. Ajoelharam-se diante d'Ele e escarneceram-n'O dizendo: “Salve, ó rei dos Judeus!” Depois, cuspiram n'Ele e pegaram na cana e puseram-se a bater-Lhe com ela na cabeça. No fim de O terem escarnecido, despiram-Lhe o manto, vestiram-Lhe as suas roupas e levaram-n'O para O crucificarem.

Do Evangelho segundo João 19,17

V/. Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi.
R/. Quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

Jesus, condenado como pretenso rei, é escarnecido, mas precisamente na troça aparece cruelmente a verdade. Quantas vezes as insígnias do poder trazidas pelos poderosos deste mundo são um insulto à verdade, à justiça e à dignidade do homem! Quantas vezes os seus rituais e as suas grandes palavras, verdadeiramente, não passam de pomposas mentiras, uma caricatura do dever que lhes incumbe por força do seu cargo, ou seja, colocar-se ao serviço do bem.

(Via Sacra de 2005 por Cardeal Joseph Ratzinger)

Esta atitude de muitos poderosos traz somente o sangue à terra, a dor estampada nos rostos de muitos que injustiçados como o Cristo, vêem o bem que fizeram se tornar argumento de condenção. Como recriminar aqueles que estão nesta situação ao bradarem com voz rouca, “que justiça é essa?!”. Essa não é a justiça de Deus, muito menos aquela fundada na verdade das coisas e do ser.

Por isso mesmo, Jesus, Aquele que é escarnecido e que traz a coroa do sofrimento, é o verdadeiro rei. O seu cetro é justiça (cf. Sal 45/44, 7).

O preço da justiça é sofrimento neste mundo: Ele, o verdadeiro rei, não reina por meio da violência, mas através do amor com que sofre por nós e conosco. Ele carrega a cruz, a nossa cruz, o peso de sermos homens, o peso do mundo. É assim que Ele nos precede e mostra como encontrar o caminho para a vida verdadeira.

(Idem.)

Jesus esta com a cruz as costas, e junto esta o mundo com seus pecados. Ele o quis assim, mesmo parecendo suportável para o Filho de Deus este fardo é enorme e duro. O peso da cruz não é medido por quilos e gramas, é medido por almas que perdidas, sem conseguir encontrar o caminho para o Pai, se recostam na cruz, sobem nela na esperança e fé de que quem a leva pode os conduzir definitivamente ao Reino da felicidade eterna. Esta esperança não é tola nem infundada, é uma esperança que foi depositada no único realmente capaz de mudar o destino do homem pecador. Mesmo que peque mil vezes, tendo me arrependido mil vezes, posso encontrar a paz e o caminho para o Pai, graças as dores de Cristo ao carregar esta cruz que agora lançam sobre seus ombros.

Somos carregadores de cruzes e às vezes elas parecem se multiplicar. Estas cruzes que recebem tantos nomes diferentes merecem um tratamento diferente daquele que costuma-se dar. Elas podem nos ajudar a compreender a própria natureza humana na dimensão da suportabilidade da dor e das angústias e favor de um bem maior. Como Cristo, devemos levar estas cruzes mirando a vida eterna e a recompensa que este ato de amor através deste sacrificio pode me fazer merecer.

Nenhum comentário: