Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

domingo, 11 de março de 2012

QUINTA ESTAÇÃO: Simão ajuda Jesus a carregar a Cruz

Jesus está atenuado. Seus passos tornam-se mais e mais trôpegos, e a soldadesca tem pressa em acabar. De modo que, quando saem da cidade pela porta Judiciária, requisitam um homem que vinha de uma granja, chamado Simão de Cirene, pai de Alexandre e de Rufo, e o forçam a levar a cruz de Jesus (cf. Mc 15,21).

(Josemaría Escrivá. Via Sacra. Ed. Quadrante, 2000. São Paulo, pg. 29)

V/. Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi.
R/. Quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

Nosso Senhor, revestido da natureza humana sente o peso da cruz, algo natural a alguém que além de ter que carregar tamanho peso ainda o faz depois de muitos açoites e maltratos. Os saldados responsáveis pelo encaminhamento de Cristo até o lugar da execução da sentença estão, certamente, apressados, e observam que Cristo não consegue ir a passos largos.

Pobre Simão! Pobre? Talvez poderiamos dizer, feliz Simão!

Em meio a multidão que cercava a passagem daqueles que iriam para a morte, ele é convocado para auxiliar no carregamento da cruz. Reluta, como seria de se esperar, mas os saldados devem ter o intimado com mais pressão. Deixou os filhos, colocou-se ao lado de Cristo… lado a lado com seu Salvador. Talvez deve ter olhado nos olhos de Cristo, e percebido que algo naquele homem era diferente. Não era um condenado comum e que esta morte talvez fosse injusta e cruel demais. Simão, que oportunidade tivestes, o que daríamos nós, hoje, para estar em seu lugar, ajudando o Filho de Deus a carregar Sua cruz!

Do encontro involuntário, brotou a fé. Acompanhando Jesus e compartilhando o peso da cruz, o Cireneu compreendeu que era uma graça poder caminhar juntamente com este Crucificado e assisti-Lo. O mistério de Jesus que sofre calado tocou-lhe o coração. Jesus, cujo amor divino era o único que podia, e pode, redimir a humanidade inteira, quer que compartilhemos a sua cruz para completar o que ainda falta aos seus sofrimentos (Col 1, 24).

Sempre que, bondosamente, vamos ao encontro de alguém que sofre, alguém que é perseguido e inerme, partilhando o seu sofrimento ajudamos a levar a própria cruz de Jesus. E assim obtemos salvação, e nós mesmos podemos contribuir para a salvação do mundo.

(Via Sacra. Orações e meditações pelo Cardeal Joseph Ratzinger, 2005)

Apresentei-me aos que não perguntavam por mim, acharam-me os que não me procuravam (Is 65,1).

Às vezes, a cruz aparece sem a procurarmos: é Cristo que pergunta por nós. E se por acaso, perante essa Cruz inesperada, e talvez por isso mais escura, o coração manifesta repugnância…, não lhe dês consolos. E, cheio de uma nobre compaixão, quando os pedir, segreda-lhe devagar, como em confidência: “Coração: coração na Cruz, coração na Cruz!”

(Josemaría Escrivá. Via Sacra. Ed. Quadrante, 2000. São Paulo, pg. 29-30)

Nenhum comentário: