Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

segunda-feira, 5 de março de 2012

Casar na Igreja: procure um padre de verdade, ou será enganado

A cada dia contado na história da Igreja de Cristo se desenrola algum evento que marca a glória ou a vergonha desta instituição divina mas que é formada por humanos - as vezes - mais pecadores que santos. Restringindo-me a lugares que visito, sou surpreendido por fatos que desgraçadamente forçam-me a escrever impulsionado pela minha indignação humana e principalmente cristã católica.
Nestes dias tomei conhecimento de algo extremamente triste para mim e seriamente preocupante. Ao visitar alguns conhecidos numa cidade próxima da região metropolitana de São Paulo, fui convidado a assistir um vídeo de "casamento" que era realizado em um salão de festas [1]. Ali se encontrava além do juiz de paz para o casamento civil [2] alguém desconfortável - via-se pelo olhar! - um homem vestido com túnica e casula [3] tendo ao lado dois jovens - diria que com mais de vinte anos pela aparência deles - também vestidos com vestes litúrgicas, túnica preta a semelhança de  batina com roquete (sobrepeliz) [4]. Em sua "atuação" manuseava um ritual, que acredito ser o manual de casamento usado pelos sacerdotes nos CASAMENTOS na igreja [5], pois realizou a maioria dos gestos e palavras que o sacerdote então faz num legítimo casamento [6].
Vamos por parte:
[1] Muitos tendem a querer utilizar salões de festas para casamentos, o que num sentido prático pode ser bem razoável, mas isto serve para uma outra etapa da realização do casamento, ou seja, a recepção, janta, almoço coquetel, etc., mas NUNCA para realizar um casamento religioso. Isto não é capricho do sacerdote que se nega a realizar tal casamento em sítios, fazendas, salões, piscinas ou outra parte, isto é norma da Igreja e é preciso que todos saibam que o padre é obrigado a obedecer sob pena de graves repreensões de seu prelado. O templo é local de qualquer encontro e ritual religioso que tem por fim a realização de algum sacramento. E casamento é sacramento.
[2] Nestes locais que foram citados é permitido a realização do CASAMENTO CIVIL, ou seja, aquele em que somente é necessário o juiz de paz com as testemunhas.
[3] Aqui começa o mais estranho e triste para mim. Este senhor que todos me disseram ser padre, presente naquele local, com a intenção de "apenas" abençoar o casamento, vestido como se fosse realizar um casamento legítimo na igreja. Ora, alguém acredita que este senhor não sabe que todos ali irão pensar que este casamento valeu para a Igreja? A simples presença do sacerdote em um ambiente assim, sendo que um dos noivos teria um impedimento para contrair novo casamento religioso, já demonstra ao povo - que as vezes carece de formação - que na Igreja as coisas acontecem pela vontade de cada padre... que normas e leis canônicas são enfeites. Além disso, a imagem que passa é de mercenarismo de muitos padres, consagrados para santificar o povo e não engordar os bolsos! Este senhor cometeu uma falta grave a meus olhos, pois pastoralmente trabalhou contra a Igreja que batalha todos os dias para formar seus fiéis na reta doutrina dos sacramentos. [4] Acrescentaria a má utilização das coisas sagradas para a Igreja como as vestimentas litúrgicas, pois as utilizou para um ato NÃO LEGÍTIMO, apenas engodo para os fiéis que depositam sua confiança na figura do sacerdote.
[5] A utilização de um ritual oficial da Igreja para tal "atuação" foi realmente trágico, pois revelou - no mínimo - a má formação deste senhor. Utilização de livros sagrados e oficiais da Igreja são apenas permitido para realização de sacramentos e sacramentais, o que não aconteceu nesta situação que poderíamos imaginar que fosse apenas uma "benção" mas que se revestiu de "sacramento".
[6] Realmente o ponto mais grave recaí sobre a dimensão pastoral que isto causa, e isto senti na pele ao longo da apresentação do vídeo, pois os próprios noivos me perguntaram várias coisas a este respeito e acabei me sentindo um "estraga festa", pois não pude esconder ou camuflar a verdade. Esta gente, via com a fé simples que têm, benção de Deus sobre esta união - algo que jamais quero censurar aqui -, mas ao mesmo tempo via a legitimidade do casamento religioso. A mãe da noivo certa hora comenta assim: "mas ele fez todos os gestos e falou todas as palavras que o padre fala...". Pois é, sobre isto que insisto. Já não penso que este senhor agiu ingenuamente, trato-o como mercenário que age com má fé, pois os gestos e palavras, as vestimentas e todo o discurso transformaram aquele casamento civil num pesudo-casamento religioso.
Infelizmente senhores agindo da mesma forma que este devem existir por vários lugares, cabe aos bispos detecta-los e urgentemente os repreender suspendendo-os se necessário e se realmente forem sacerdotes, caso não, denunciá-los as autoridades policiais, pois cobrar por algo gratuito e agir em falsa identidade é o quê?
Nossa fé é clara e pela bondade infinta de Deus temos a Igreja que nos orienta com suas normas e leis que nos fazem trilhar o caminho da vontade de Deus com os passos certos, sem desvios ou "jeitinhos" que somente nos enganam fazendo a caminhada ser mais árdua e laboriosa.

Nenhum comentário: