Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Quarta-feira 1Rs 10,1-10 Mc 7, 14-23

V Semana do Tempo Comum

Pe. Valderi

A sabedoria que Salomão havia conseguido atinge fama por muitos territórios, esta rainha de Sabá viaja para comprovar com seus olhos e ouvidos tudo que lhe falaram deste sábio governante. A sabedoria de Salomão não lhe surgiu por sua grande inteligência, aliás, muitas pessoas que são expertas em muitas coisas nem sempre gozam de sabedoria, donde tranquilamente distinguimos ser sábio de ser inteligente. Nem todos que são inteligentes são sábios e nem todos que são sábios são conhecidos por sua grande inteligência. Mas em uma escala de valores em vista do Reino dos Céus, ser sábio vale mais do que simplesmente a inteligência. Também a Igreja nos fala em seu documento Gaudium et Spes neste sentido ao declarar que “a natureza intelectual da pessoa humana atinge a perfeição, como é seu dever, mediante a sabedoria, a qual, com suavidade, leva a mente a procurar e amar a verdade e o bem...” (15). Ser sábio é diferente de ser apenas inteligente, pois a sabedoria eleva a inteligência a contemplação da verdade.

Salomao e Rainha de Saba A rainha não acreditou a primeira vista nas coisas que ouvira falar de Salomão, e assim geralmente acontece. Somos tão incrédulos que precisamos ver e ouvir pessoalmente para por a confiança naquele que é considerado sábio e por isso capaz de me guiar à justiça e a paz. Com Cristo muita gente age desta forma, exigindo algo visível para que possam crer nas palavras do Santo Evangelho, para estas pessoas as testemunhas não são razões suficientes para assentir com a fé.

Jesus neste evangelho mostra com clareza donde provém as maldades e impurezas do homem, não é de fora para dentro, ou seja, não é o mundo que me tornará um impuro ou pior ainda um fazedor de maldades. As coisas más e impuras existem aí fora, mas nós não nos tornamos assim somente pelo simples fato delas estarem aí e se apresentarem a nós. Nós é quem decidimos assumir ou não a impureza que as coisas do mundo me oferecem. Nossa liberdade nos permite isso, e graças a ela não somos escravos do mundo, podemos ser libertos dele para estar com Deus. Nosso interior estará cheio daquilo que eu permitir que esteja, se olho, falo, leio e comento somente impurezas e maldades então meu coração estará cheio disso e então somente sairá de meu interior essa coisas impuras que Jesus fala em seu Evangelho tornando-me assim uma pessoa suja, longe da pureza necessária para atender a vontade de Deus.

Tenhamos coragem e firme decisão para sempre nos afastarmos do mal e de suas investidas que seduzem e nos levam a manchar nosso coração, transformado-nos em escravos das coisas do mundo.

Nenhum comentário: