Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

PRIMEIRA ESTAÇÃO: Jesus é condenado à morte

Quando viram Jesus, os sumos sacerdotes e os guardas começaram a gritar: “Crucifica-o! Crucifica-o!” Pilatos respondeu: “Levai-o vós mesmos para o crucificar, pois eu não encontro nele crime algum”. Os judeus responderam: “Nós temos uma Lei, e, segundo essa Lei, ele deve morrer, porque se fez Filho de Deus”...
Por causa disto, Pilatos procurava soltar Jesus. Mas os judeus gritavam: “Se soltas este homem, não és amigo de César. Todo aquele que se faz rei, declara-se contra César”...
Então Pilatos entregou Jesus para ser crucificado, e eles o levaram.

Do Evangelho segundo João 19,6-7.12.16

V/. Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi.
R/. Quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

O Juiz do mundo, que um dia voltará para nos julgar a todos, está ali, aniquilado, insultado e inerme diante do juiz terreno. Pilatos não é um monstro de malvadez. Sabe que este condenado é inocente; procura um modo de O libertar. Mas o seu coração está dividido. E, no fim, faz prevalecer a sua posição, a si mesmo, sobre o direito.

(Via Sacra de 2005 por Cardeal Joseph Ratzinger)

Tenta te colocar ali, entre aqueles judeus com sangue efervecido, põe-te no meio deles e tentes ver o rosto de Cristo, aquele que quererm matar. Vês? Ele nada faz. Não reage, mesmo quando o débil Pilatos lhe diz que poderia solta-Lo se assim o quisesse (Jo 19,10). Mas como admitir isso? Sendo que Ele, que veio ao mundo justamente para isso, agora o ver suplicar para ser solto?!

Não! Jesus sabia que seria assim. Em Sua onisciência divina compartilhada com o Pai, sondava o futuro e vislumbrava as dores que iria sentir. Mas tudo vale a alma dos justos… tudo vale tua alma… a minha alma. As dores de Cristo, desde a dor amarga e extremamente frustante da traição de Judas - um dos seus - são bálsamos de puro amor para nossas chagas profundas e incicatrizáveis. Esta dor de Cristo pela blasfêmia recebida, pelas injurias, pela injustiça é a dor de tantos irmãos nossos, que perambulam pelo mundo sem sentido para a vida, pois viram os mesmos irmãos rirem e cuspirem em seus rostos, sofreram tantas injustiças capazes de os fazer desacreditar completamente no ser humano.

Crucifica-o, crucifica-o… muitos dentre o povo somente consguiam repetir estas palavras. Talvez nem conhecessem bem a pessoa de Jesus, talvez somente ali ouviram falar seu nome. Estes certamente são figuras de outros tantos no mundo de hoje, que nem se importam em julgar e condenar sem prévio conhecimento, sendo alvos fáceis para cometer injustiças e assim jogar a margem da dignidade tantos homens e mulheres que, apesar dos erros, poderiam – e podem – se emendar e encontrar a verdadeira razão de suas vidas.

A posição de Pilatos é incomoda para ele, mas graças a seu caráter frágil e medo de enfrentar o que é preciso em prol da justiça e da verdade prefere sair sem arranhões deste julgamento entregando Jesus para ser crucificado. Os Pilatos de nosso mundo ainda exercem seu poder as custas de muitos inocentes, vítimas de interesses pessoais e materialistas, alvos do mundo consumista e nihilista em que vivemos.

Nenhum comentário: