Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

domingo, 17 de outubro de 2010

Novo ídolo para o panteão dos ateus

Depois de alguns anos sendo tido como um cientista físico que aceitava a possibilidade de uma força inalcansavél para a ciência ter dado o impulso inicial – o que viria antes do ponto zero no big bang –, ou seja, uma força equivalente a Deus. Quando ainda teorizava neste sentido, Hawking ainda estava chegando perto do conceito filósofico do “nada” enquanto ausência absoluta de qualquer espécie de matéria (isto inclui, ondas, magnetismo, micropartículas… o universo).

Sua inclinação para a participação essencial de Deus no big bang se pode abstrair de Uma nova história do tempo, escrito em conjunto com Leonard Mlodinow onde se pode ler o seguinte: “Seria muito dificil explicar por que o universo deveria ter começado exatamente desta maneira, exceto como o ato de um Deus que pretendia criar seres como nós” (O.c., pg. 80).

Mas recentemente Hawking se inclinou a teoria sem Deus, para o deleite intelectual dos ateus. Acaba de lançar mais um livro sobre a origem do universo em que afirma “não é preciso invocar Deus para uma centelha inicial pôr o universo em movimento” (The great design, 2010).

Ora, no mínimo este autor é contraditório em suas próprias teorias, mas o fato é que Hawking não consegue perceber que seu conceito do “nada” esta errado. Ele trata o “nada” como sendo uma ausência superficial, ou seja, no “nada” existe alguma coisa na recente teoria de Hawking pois senão seria impossível haver uma centelha a começar a origem. Ele, como a maioria dos físicos, não consegue admitir que o conceito do “nada” esta no campo filósofico e não no físico, visto que no campo físico sempre existiu e existirá algo.

O físico brilhante quase se aproxima de Deus por sua ciência, mas acaba se tornando mais ídolo para o panteão dos ateus.

Nenhum comentário: