Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

domingo, 8 de agosto de 2010

Duas lendas sobre quadros

Purificando o mundo
No ano de 1476, dois homens conversam no interior de uma igreja medieval. Param por alguns minutos diante de um quadro que mostra dois anjos, de mãos dadas, descendo em direção a uma cidade.
- Estamos vivendo o terror da peste bubônica - comenta um deles.
- Pessoas estão morrendo, não quero ver imagens de anjos.
- Esta pintura é sobre a Peste - diz o outro.
- É uma representação da Lenda Áurea. O anjo vestido de vermelho é Lúcifer, o Maligno. Repara como ele tem preso ao cinto um pequeno saco: ali dentro está a epidemia que tem devastado nossas vidas e as vidas de nossas famílias.
O homem olha a pintura com cuidado. Realmente, Lúcifer carrega uma pequena sacola; entretanto, o anjo que o conduz tem uma aparência serena, pacífica, iluminada.
- Se Lúcifer traz a Peste, quem é este outro que o leva pela mão?
- Este é o anjo do Senhor, o mensageiro do Bem. Sem sua permissão, o Mal jamais poderia se manifestar.
- O que está fazendo, então?
- Mostrando o local onde os homens devem ser purificados por uma tragédia.
Da Vinci procura seus modelos Conta a lenda que, ao conceber seu famoso afresco A última Ceia, Leonardo da Vinci deparou-se com uma grande dificuldade: precisava pintar o Bem - na imagem de Jesus - e o Mal - na figura de Judas. Certo dia, enquanto assistia um coral, viu em um dos
rapazes a imagem ideal de Cristo. zConvidou-o para o seu ateliê, e reproduziu seus traços em estudos e esboços. Antes de o rapaz sair,
mostrou-lhe a idéia do afresco, e elogiou-o por representar a face de Cristo.
Passaram-se três anos. A Santa Ceia, que enfeitava uma das igrejas mais conhecidas da cidade, estava quase pronta -mas Da Vinci ainda não havia
encontrado o modelo ideal de Judas. O cardeal, responsável pela igreja, começou a pressionar Da Vinci, exigindo que terminasse logo o seu trabalho.
Depois de muitos dias procurando, o pintor encontrou um jovem prematuramente envelhecido, esfarrapado, bêbado, atirado na sarjeta. Com dificuldade, pediu a seus assistentes que o levassem até a igreja, pois já não tinha mais tempo de fazer esboços.
O mendigo foi carregado até lá, sem entender direito o que estava acontecendo: os assistentes o mantinham de pé, enquanto Da Vinci copiava as linhas da impiedade, do pecado, do egoísmo, tão bem delineadas naquela face. Quando terminou o trabalho, o mendigo - já um pouco curado de sua ressaca - abriu os olhos e notou o afresco na sua frente. E disse, numa mistura de espanto e tristeza:
- Eu já vi este quadro antes!
- Quando? - perguntou surpreso Da Vinci.
- Há três anos, antes de eu perder tudo que tinha. Numa época em que eu cantava num coro, e o artista me convidou para posar como modelo para a face de Jesus.

Nenhum comentário: