Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Venezuela: Hugo Chávez proibirá emissora de televisão católica no país

Fonte: www.zenit.org

Outra atitude na tensão criada pelo governo


Por Nieves San Martín
CARACAS, quarta-feira, 21 de julho de 2010 (ZENIT.org) - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, pediu ao ministro do Interior, Tareck El Aissami, "revisar" a concessão de um canal de televisão ao arcebispado de Caracas para "recuperá-lo" e "colocá-lo às ordens do povo". Trata-se de outra atitude em relação à tensão com a Igreja criada pelo governo, em uma série de ataques dirigidos especialmente contra o cardeal Urosa, arcebispo de Caracas.
O presidente venezuelano fez este pedido sobre a emissora de sinal aberto Vale TV (Valores Educativos Televisão) depois de ratificar sua vontade de revisar o convênio da Venezuela com o Vaticano e de convidar ao núncio apostólico, Pietro Parolin, a "falar" sobre o tema.
"Revisemos [a concessão da Vale TV], Tareck, para recuperar esse canal e colocá-lo às ordens do povo", repetiu Chávez em um programa televisivo com membros da Polícia Nacional Bolivariana.
A Vale TV se identifica em seu site como um canal aberto e sem fins lucrativos dedicado à cultura, pertencente à Televisão Nacional, canal 5, o primeiro canal público de televisão da Venezuela, fundado em 1952.
Em 1998, o então presidente da Venezuela, Rafael Caldera, outorgou a concessão deste canal ao arcebispado de Caracas, que iniciou suas emissões em 4 de dezembro desse mesmo ano. Neste sentido, Chávez garantiu que Caldera "entregou" o canal 5 à "hierarquia eclesiástica" em 1998, "violando uma série de procedimentos".
A atual polêmica entre a hierarquia eclesiástica venezuelana e o governo surgiu no início de julho, quando o arcebispo de Caracas, Cardeal Jorge Urosa, disse que Chávez violava a Constituição ao querer impor uma "ditadura comunista" no país, e o governante lhe chamou de "troglodita" e "indigno" e ameaçou processá-lo por injúrias.
Nesse contexto, o mandatário revelou que o secretário do Estado Vaticano, cardeal Tarcisio Bertone, disse nessa semana ao seu ministro de Relações Exteriores, Nicolás Maduro, estar "preocupado" pelas suas recentes declarações sobre a revisão do acordo de 1964.
"Parece que no Vaticano estão muito preocupados porque eu anunciei, e vamos fazer, uma revisão do convênio", disse Chávez, em relação à firma de Modus Vivendi  de 6 de março de 1964, entre o Estado venezuelano e a Nunciatura Apostólica.
Este documento compromete a transferência à Igreja Católica de recursos provenientes da exportação de petróleo para o financiamento de obras sociais e projetos educativos.

Um comentário:

...na Venezuela não há liberdade para opinar disse...

"Infelizmente agora com este processo do Presidente Hugo Chávez, virtualmente não deixa escapatória, não há a liberdade suficiente para opinar, para respeitar a opinião e essa é a primeira base do diálogo, o primeiro fundamento de um diálogo é escutar e respeitar-nos"...