Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

sábado, 19 de junho de 2010

“Saramago nunca deixou de realizar uma simplificação teológica preocupante”

Tradução - logo animado O Vaticano condena mais uma vez Saramago depois de sua morte (http://www.elpais.com/articulo/cultura/Vaticano/condena/vez/Saramago/muerte/elpepucul/20100619elpepucul_6/Tes) Nem elogio ou obituário neutro. Fiel à sua história, o Vaticano dedicou hoje a José Saramago, falecido nesta sexta-feira aos 87 anos em Lanzarote, um ataque preventivo, uma condenação de um tom quase sarcástico, que soa quase a celebração pela morte de um dos intelectuais que mais lucidamente condenou os abusos cometidos em nome da religião e da hipocrisia e as contradições da Igreja de Roma.
O artigo sobre o autor de "Memorial do convento" pelo jornal oficial do Vaticano, L'Osservatore Romano, é intitulado A onipotência (relativa) do narrador, esta assinado por Claudio Toscani e mistura reflexões sobre sua tarefa intelectual de esquerda com insultos como "populista radical".
A peça enfatiza a "ideologia anti-religiosa" de Saramago, que o define como "um homem e um intelectual sem capacidade de qualquer metafísica, (e que viveu) agarrado até o final sua pertinaz crença no materialismo histórico, também conhecido como marxismo." Para acrescentar: "Colocando-se lucidamente na parte das plantas daninhas no campo de trigo do Evangelho (Saramago), se declarava insomne pelas Cruzadas ou a Inquisição, sem esquecer a memória do" gulag ", o expurgo de genocídio , o "samizdat" (panfletos da Rússia Soviética) cultural e religioso. "
No que diz respeito à religião, a nota continua: "jugo como sua mente sempre foi um desestabilizador da banalização do sagrado e um materialismo libertário que o mais avançado em anos são radicalizados, Saramago nunca deixou de realizar uma simplificação teológica preocupante: se Deus é a fonte de tudo, ele é a causa deste efeito e os efeitos de qualquer causa. "
O diz depois é duríssimo. "Um populista radical como ele, que assumiu o comando das razões para os males do mundo, devia em primeiro lugar, aplicar o problema de todas as estruturas errôneas humanas, desde o histórico das políticas sócio-econômicas, ao invés de ir para o avião detestava metafísica e da culpa, assim também confortável e sem qualquer outra consideração, a um Deus que nunca acreditaram, devido à sua onipotência, onisciência, onipresença dele. "
O artigo critica de um modo especial, o romance "O Evangelho Segundo Jesus", com o qual, diz o L'Osservatore Romano, o Prêmio Nobel de Literatura lançou "um desafio à memória do cristianismo que não se sabe o que pode ser salvo se , entre outras coisas, Cristo é o filho de um pai imperturbável que envia ao sacrifício, que parece ser melhor compreendida com Satanás do que com homens, e que domina o universo com o poder, mas sem misericórdia. "
"A irreverência a aparte”, conclui," a lógica estéril, ao invés de narrativa teológica de tais assuntos, não produz a desconstrução procurados ontológico, mas, contorcendo-se em um viés dialético tão evidente como para impedi-lo de atingir um objectivo credível ".

Nenhum comentário: