Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 27 de abril de 2010

Um padre

Noticia comentada- logo animado Escreveu Luiz Antonio de Assis Brasil no Segundo Caderno da Zero Hora de 26/04/2010.

***

Deu no clicRBS: o padre chama-se Martinho Kavaya. É sacerdote, natural de Angola. Viveu em Pelotas por sete anos para adquirir conhecimento e servir em seu ministério. Atuou como vigário na catedral São Francisco de Paula, estudou e defendeu tese. Hoje é doutor em Educação. Nas fotos, vê-se que é homem ainda no vigor da idade, sorriso verdadeiro, cheio de esperanças.
Está voltando para o seu país, e leva consigo mais de 40 mil livros que lhes foram doados pelas comunidades pelotense e gaúcha. Leva, portanto, uma biblioteca inteira, a fazer inveja a muitos municípios brasileiros. O Exército Nacional ajudou-o a acomodar todo esse material num contêiner, e o destino é a cidade de Ganda. Padre Martinho está feliz. Volta para Angola com a alma e a mente disponíveis para ajudar, apoiar, repartir. Volta, enfim, imbuído do verdadeiro espírito missionário.
Martinho, na infância, viveu a crua realidade da guerra, e seu passado registra um episódio por ele mesmo narrado: “Vi meu avô e minha avó serem decapitados na minha frente quando era criança, e prometi que mudaria meu país através da educação”. Promessas assim não se esquecem, e o Padre Martinho transformou sua dor em gesto concreto de solidariedade.
O lado raro, disso tudo, é que a cidade de Ganda, para onde vai essa grande biblioteca, para onde volta o Padre Martinho e suas esperanças, situa-se justo na província de Benguela que, bem e tristemente o sabemos, foi um dos mais atuantes empórios do comércio negreiro destinado ao Brasil. De Benguela importávamos seres humanos reduzidos à situação animal; a retribuição que damos ora damos, por via do Padre Martinho, é em livros, cultura e saber. Não se trata de compensar males passados, que esses são incompensáveis, mas trata-se de um ato simbólico de reparação.
Vá, Padre Martinho. Dê o testemunho de seu tempo e de sua palavra.
Num momento crítico, em que a Igreja Católica é acossada por uma torrente de insultos, muitos esquecem de exemplos iguais a este, operosos, saudáveis e construtivos, que honram a nossa espécie e dignificam a instituição a que serve o Padre Martinho.

Nenhum comentário: