Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

sábado, 17 de abril de 2010

CMC: Livro I – Parte II – Capítulo I [nn. 43-44]

43.

A lei

Norma objetiva suprema de moralidade é a lei eterna, i. é a vontade de Deus ordenando desde a eternidade toda a atividade das criaturas para o fim supremo. – Deus manifestou sua vontade no tempo pela lei moral natural e pela lei divina positiva. Por meio dos homens Deus manifesta sua vontade nas leis humanas da Igreja e do Estado.

Capítulo I

Lei e conceitos afins.

À lei assemelham-se o costume, o preceito e o privilégio.

I. Lei é a norma racional constante de agir, dada pelo superior de uma comunidade pública, para o bem comum da mesma e suficientemente promulgada.

1. O bem comum exige que a lei seja justa, honesta, possível e necessária ou, pelo menos, útil para o bem comum.

A lei destituida destas qualidades carece de força de lei.

44. 2. A promulgação é indispensável para que a lei obrigue os súditos.

As leis da Santa Sé são promulgadas geralmente nos “Acta Apostalicae Sedis”, e começam a obrigar três meses depois de sua publicação nas referidas Atas, a não ser que a natureza da lei importe a obrigação imediata ou que expressamente se estabeleça outra coisa (Can. 9).

As leis episcopais obrigam desde o momento da publicação se na ata da publicação não se estabelece expressamente outra coisa; o modo da promulgação fica ao juízo dos bispos (Can. 335 § 2).

Nenhum comentário: