Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

sexta-feira, 19 de março de 2010

Tarzan, ainda dúvida na relação homem-animal

A lenda do menino que é criado por macacos numa floresta inabitável parece ser conhecida por todos e por demais repetida! Hoje antes de sair para o trabalho assisti a uma pequena parte do início desta estória (ou seria história?!) e num segundo comecei a contemplar: imagine esta possibilidade, seria possível a um ser humano viver numa floresta e não só sobreviver mas assimilar os “costumes” de certa espécie que o teria “adotado”?

Creio que vários antropólogos muito mais expertos que este humilde pensador já deve ter se debruçado sobre esta questão e quem sabe até apresentado geniais soluções ou reflexões sobre o tema. Mas ouso reacender mais uma vez a dúvida.

Claro que já pergunto tendo algumas respostas em mente, como por exemplo, a impossibilidade do ser humano compreender a linguagem (se ela existe!) dos macacos ou seja lá qual espécie for. Distinguo perfeitamente para esta minha resposta a linguagem dos gestos, além de remar contra a maré de inúmeros literatos, filósofos, antropólogos e etc. Baseio minha resposta na impossibilidade de compreensão do ser humano da linguagem animal na distinta (e isso é abismal…) diferenciação de nossas espécies. Uma coletânea de gestos e rugidos emitidos por um animal nada mais é do que sua manifestação dos sentidos que nele afloram. Portanto, nele há um limite antes da linguagem que o faz não se equiparar com animais que emitem sons articulados. Os sentidos ficam neles mesmos, os animais seres humanos passam dos sentidos para o racional. Um pulo qualitativo que não depende da “genética” dos animais!

Uma segunda resposta que trago já ao fazer a pergunta é o controvérsio impulso natural (da espécie) de ações humanas como o desejo de alcançar o eterno! Não é tolice de minha parte é simplesmente constatação que o ser humano demonstra em certo ponto de sua vida um desejo que para ele é inexplicável.

Seguindo esta idéia me ocorre que somente o ser humano é aquele animal que busca explicações, persegue-as. Mesmo aquele que pela sua personalidade é tímido e introspecto busca, vez por outra, entender algo que não lhe é obrigado por outro a entender.

Queria simplesmente escrever inebriado pelo imenso desejo que sinto de demonstrar meu amor ao ser humano. Não posso admitir racionalmente qualquer pensamento que iguale homens ao restante dos animais. É um disparate racional. Antes que julguem um pensamento anti-ecológico me considero o mais perfeito ecologista, pois coloco as coisas onde considero ser os seus lugares, sem abusos e sem falsos socialismos-naturais.

Pax Christi

Nenhum comentário: