Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Quem foram eles: Melchior, Gaspar e Baltasar?

Fernanda Cordeiro Fonseca, extraído do jornal do estudante chez nous

  É noite de inverno… Numa pobre manjedoura, encontra-se reclinado o esperado das nações e o anunciado pelos profetas: o Messias. Ao seu redor, apenas sua Mãe Santíssima e o varão justo por excelência O adoram profundamente. Para mitigar o frio, acalenta-O o bafo dos animais.

Quão extraordinário seria se pudéssemos, ao menos por um instante, assistir a esta miraculosa cena por uma fresta da inóspita gruta de Belém.

Contudo, a Divina Providência concedeu a graça, não apenas de presenciar este acontecimento mas ainda de ter nos próprios braços o Divino Infante, a misteriosos varões: os três Reis Magos.

O Evangelho os qualifica de ” Magos “, palavra que, à primeira vista, erroneamente ligaríamos a encanto e feitiçaria. Ao contrário, ela especifica, no Oriente, o homem sábio, perito em astrologia.

Segundo a mística Beata Ana Catarina Emmerick, 500 anos antes do nascimento de Jesus, o estudo dos astros estava em decadência. Os únicos pagãos em que se achava aceso o desejo da vinda do Menino Prometido, e que acreditavam na profecia de Balaão sobre a estrela de Jacó, eram os Reis Magos.

Devemos o aspecto físico dos ilustres personagens a S. Beda, que também recolheu seus nomes. Assim sendo, a Tradição diz-nos que: “O primeiro foi Melchior, velho, de barba e cabelos longos e brancos… o segundo tinha por nome Gaspar e era jovem e ruivo… O terceiro, negro e totalmente barbado, se chamava Baltasar.”  Estes nomes lhes designam o caráter: Gaspar - vai com amor; Melchior- aproxima-se com humildade; e Baltasar - age profundamente, conformando sua vontade com a de Deus.

Em uma homilia, nosso Fundador comentou o belo exemplo de despretensão dado por estes pagãos, provavelmente oriundos da Pérsia, atual Irã:

 

- Estes reis, sem nunca terem lido uma palavra da Escritura ou tido contato com algum profeta, são tocados pelo Espírito Santo e crêem nesta revelação a propósito de uma estrela, que lhes aparece, se movimenta, e os convida a abandonar a vida que levavam  naquele tempo e a atravessar o deserto com todas as agruras e dificuldades que pudessem encontrar pelo caminho.[...] Surgiu esta luz e não puseram dúvida. Isto sim, puseram-se a caminho.”

Neste Natal, sigamos os Reis Magos numa adesão total ao Menino Jesus.

*Fonte: http://thabor.blog.arautos.org/2009/12/06/quem-foram-eles/

Nenhum comentário: