Destaque:

A retrospectiva de Brás Cubas

Tenho grande apreço por Machado de Assis, pois acredito que sua contribuição para a Literatura Brasileira foi muito além de incrementar ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

domingo, 10 de janeiro de 2010

“Cruzada anticorrupção”*

Mais que desanimadora a imagem política do Brasil é Noticia comentada[6]desesperador o que estes “políticos” estão fazendo com os jovens através de suas más ações. Todos os vícios possíveis eles podem transmitir aos que estão numa fase de desenvolvimento humano.

Por isso é muitíssimo válido qualquer esforço de indignação contra este estado deplorável, esperando sempre que possa esta manifestação gerar soluções para termos uma política verdadeira em nosso país.

 

   *ZH, 10/01/10

Durante uma semana, permaneceu na capa do site de Zero Hora a seguinte pergunta:

“Você conhece algum político condenado por desvio de recursos públicos ou recebimento de propina que esteja, neste momento, atrás das grades?”

Até sexta-feira, 161 leitores, via internet, tentaram nos ajudar, aos quais agradecemos pela gentileza, mas ninguém conseguiu. Não havia como colaborar: não há ilustres nas cadeias do Brasil.

Indicadores conhecidos apontam a melhora da qualidade de vida no país, evolução nos quesitos de educação, solidez da economia e crescimento em infraestrutura, além do fortalecimento das instituições. A democracia judicial, porém, engatinha. Abarrotados de homicidas, ladrões e autores de outros crimes, os presídios permanecem à espera de corruptos. Olhem a resposta do juiz Carlos Eduardo Ribeiro Lemos, linha de frente no combate à corrupção no Espírito Santo, instado a nos fazer entender “por que figurão não cumpre pena de prisão”:

– Parece estranho um juiz dizer isso, mas acho que só vai para a cadeia quem não tem defesa. E isso só acontece com os pobres.

A íntegra da entrevista com Lemos, à página 6, faz parte de uma bandeira desfraldada hoje por ZH. Mais do que uma matéria jornalística iluminando o tema, lançamos um novo selo para identificar e estimular o debate sobre a impunidade. Sugiro cuidados extras, pois a reportagem, produzida por Leandro Fontoura, pode gerar irritação exagerada, frustração prolongada e aumento da sensação de impotência. Ao persistirem os sintomas, aliste-se nesta cruzada.

Como o risco de cadeia é pequeno, no país das oportunidades sempre vale a pena arriscar, em especial se se estiver fora da lei. O  historiador Marco Antonio Villa, da Universidade Federal de São Carlos, lamenta que cenas como a dos políticos de Brasília guardando dinheiro em cuecas e meias transmitam o recado, aos mais jovens, de que não é estimulante ganhar a vida com honestidade. A corrupção, não custa lembrar, se alimenta da impunidade.

No final de dezembro, ao ouvir o ministro da Justiça, Tarso Genro, se indignar com o fato de o Superior Tribunal de Justiça suspender o processo da Operação Satiagraha – Tarso disse que a decisão da Corte estimulava “a sensação de impunidade já existente no país” –, lembrei de uma entrevista de um ex-ministro da Justiça, nos anos 80, quando perguntado se em seu mandato como guardião do arcabouço jurídico do Estado a lei seria cumprida com rigor:

– O adjetivo é uma estaca na qual o substantivo, desmoralizado por tantos anos de inércia das autoridades, precisou apoiar-se para ser levado a sério – disse o então ministro Paulo Brossard de Souza Pinto.

O que mudou nessas duas décadas e meia?

Graças à liberdade de expressão garantida a partir de 1985, a imprensa pôde se debruçar, pelo menos, sobre os artifícios jurídicos que fortalecem a indústria da postergação. Parte deste processo, ZH tem tentado reforçar o caráter de vigilante da sociedade reservado aos meios de comunicação.

A bandeira do combate à impunidade se junta, a partir de hoje, ao Teste da Realidade, marca usada para colocar em xeque promessas de candidatos, às Ruínas do Século 21, série de reportagens que há dois anos denuncia o desperdício do dinheiro público em obras inacabadas, e ao já conhecido Placar dos Escândalos, símbolo criado para evitar a amnésia do que de pior a política nacional produz.

O cardápio da edição deste domingo traz ainda duas revelações exclusivas – as minúcias do inquérito de 4.224 páginas do Caso Becker e a informação de que as pontes da região central do Estado são as mais suscetíveis a rupturas, devido à geografia específica daquela área, em forma de bacia.

Como escreveu Paulo Sant’Ana (a íntegra da coluna está em www.zerohora.com/blogdoeditor), em sua crônica da última sexta-feira, “é impossível aos gaúchos não ler Zero Hora”.

Nenhum comentário: