Destaque:

A retrospectiva de Brás Cubas

Tenho grande apreço por Machado de Assis, pois acredito que sua contribuição para a Literatura Brasileira foi muito além de incrementar ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

CMC: Livro I – Parte I – Capítulo I – Artigo III [nn. 26-28]

26. V. O hábito. É a facilidade e a espontaneidade de agir, adquirida pela repetição dos mesmos atos.

Há hábitos que causam alteraçõe no organismo (p. e. a embriaguez) e outros que não produzem estes efeitos.

27. 1. Os hábitos dividem-se em naturais e morais.

Os primeiros formam-se sem que o agente reflita no influxo deles sobre a parte moral; ou, ao menos, persistem contra a vontade. Os últimos, pelo contrário, são adquiridos livremente e concientemente alimentados.

28. 2. Influxo na imputabilidade.

  • Quem se esforçar seriamente por se desfazer do mau hábito, não peca praticando o ato habitual sem advertir atualmente na malícia dele.
  • Quem não se esforça por se desfazer do mau hábito, apesar de ter a consciência da obrigação de fazê-lo, peca todas as vezes que se lembra disso e não o faz; mas não peca no momento em que pratica o ato habitual sem pensar na malícia dele.

O pecado é indiretamente voluntário (cf. n. 13).

Nenhum comentário: