Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

CMC: Livro I – Parte I – Capítulo I – Artigo III [nn. 26-28]

26. V. O hábito. É a facilidade e a espontaneidade de agir, adquirida pela repetição dos mesmos atos.

Há hábitos que causam alteraçõe no organismo (p. e. a embriaguez) e outros que não produzem estes efeitos.

27. 1. Os hábitos dividem-se em naturais e morais.

Os primeiros formam-se sem que o agente reflita no influxo deles sobre a parte moral; ou, ao menos, persistem contra a vontade. Os últimos, pelo contrário, são adquiridos livremente e concientemente alimentados.

28. 2. Influxo na imputabilidade.

  • Quem se esforçar seriamente por se desfazer do mau hábito, não peca praticando o ato habitual sem advertir atualmente na malícia dele.
  • Quem não se esforça por se desfazer do mau hábito, apesar de ter a consciência da obrigação de fazê-lo, peca todas as vezes que se lembra disso e não o faz; mas não peca no momento em que pratica o ato habitual sem pensar na malícia dele.

O pecado é indiretamente voluntário (cf. n. 13).

Nenhum comentário: