Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

CMC: Livro I – Parte I – Capítulo I – Artigo III [nn. 23-25]

23. IV. A paixão.  1. Conceito. A paixão é a excitação do apetite sensitivo causada pela imaginação de um bem ou de um mal.

24. 2. Divisão. A paixão pode ser:

  • antecedente: ela precede o consentimento da vontade aliciando-a.

É o que se dá por exemplo com os movimentos involuntários de ira, de ódio, do instinto sexual.

  • consequente: ela segue o consentimento da vontade, quer admitida livremente quer provocada de propósito.

Provoca-se a paixão quando cientemente se nutrem movimentos a princípio involuntários, ou quando positivamente se despertam movimentos de paixão, por exemplo, pela leitura de livros imorais ou pela lembrança de injúrias recebidas.

25. 3. Influxo na imputabilidade.

  • A paixão antecedente sempre diminue a imputabilidade e às vezes elimina-a por completo conforme só impede o uso da razão ou o tolhe inteiramente.

Mutias vezes há ainda pecado moral também no caso de imputabilidade reduzida. Acresce que geralmente se quer a paixão indiretamente, por exemplo, quando alguém se expõe, sem motivo suficiente, ao perigo ou não combate sua propensão passional a pesar de conhecer perfeitamente o dever de fazê-lo. Na prática, será muita vez difícil determinar se a diminuição da imputabilidade é tal que já não haja pecado grave: neste caso deixe-se tudo entregue ao juízo de Deus.

  • A paixão consequente nunca diminue a imputabilidade, antes, de ordinário, a aumenta.

O aumento da imputabilidade provém de que se estimula positivamente a excitação sensível e que assim se quer com maior intensidade o bem ou o mal.

Nenhum comentário: