Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

CMC: Livro I – Parte I – Capítulo I – Artigo III [nn. 15-16]

Os impedimentos do ato humano.
Impedimento do ato humano é tudo aquilo que influe desvantajosamente no conhecimento e na livre vontade. O mesmo influxo priva o ato da imputabilidade ou lha diminue.
I. A ignorância. 1. Conceito. Ignorância é a falta de ciência devida.
O que se diz da ignorância, vale também do erro, isto é, do juízo errado de alguma coisa, e da inadvertência que consiste em não se lembrar atualmente daquilo que aliás se sabe muito bem. Do erro não diferem muito os preconceitos e as opiniões falsas em questões de religião e moral.
16. 2. Divisão. A ignorância pode ser:
  • de direito ou de fato conforme se ignora a lei ou existência do fato.
  • antecedente, consequente ou concomitante.
Antecedente chama-se a ignorância que não se quer e que portanto precede o consentimento. Seu influxo na ação pode ser tal que sem ela não se teria praticado a ação (ignorância antecedente em sentido estrito) ou pode ser nulo de sorte que a ação se teria praticado ainda que não houvesse ignorância (ignorância concomitante). – consequente é a ignorância que se quer direta ou indiretamente e que portanto, procede da vontade.
  • vencível ou invencível.
É vencível a ignorância que poderia ser dissipada pelo emprego de uma diligência moral correspondente à capacidade da pessoa ignorante e às circunstâncias do fato. É invencível a que não se pode dissipar por meio desta diligência ordinária, mas sim por diligência extraordinária. Conforme o grau maior ou menor de negligência culpável, a ignorância pode ser simplesmente vencível ou crassa (supina). A ignorância afetada é a daquelas pessoas que de propósito permanecem no estado de ignorância (df. n. 425).

Nenhum comentário: