Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

domingo, 16 de agosto de 2009

Olhando para o próprio umbigo


Foi justamente um pôster de Britney Spears que me fez pensar algo que jamais havia levado a sério. A partir deste pôster, comecei a ver que havia - basicamente por parte das mulheres jovens, já que os homens não têm elegância suficiente para tal - uma obsessão compulsiva em mostrar o próprio umbigo.
Muitas línguas do mundo têm a mesma expressão, quando se trata de definir uma pessoa centrada apenas em si mesma: "está olhando para o próprio umbigo!".Por que? Britney Spears me levou a fazer algumas descobertas interessantes. Primeiro procurei uma enciclopédia, onde o umbigo é descrito de maneira muito limitada: cicatriz resultante da queda fisiológica (natural) do cordão umbilical. Geralmente, em humanos possui o formato redondo e fundo.Ainda bem que não parei por aí, e aos poucos comecei a ver que a tal "cicatriz redonda e funda" possui algumas referências históricas sérias; as culturas antigas usavam a mesma palavra para definir os lugares que considerava sagrados. No templo da Grécia onde se profetizava o futuro - o oráculo de Delfos, dedicado ao deus Apolo - havia uma pedra em mármore, justamente chamada "umbigo". Relatos da época contam que ali estava o centro do planeta. Em Petra, na Jordânia, existe outro "umbigo cônico", simbolizando não apenas o centro do planeta, mas do universo inteiro. Tanto o de Delfos como o de Petra procuram mostrar o eixo por onde transita a energia do mundo, marcando de modo visível algo que se manifesta apenas no plano, digamos, "invisível". Jerusalém é chamada também de umbigo do mundo, como a Ilha da Páscoa, no oceano Pacífico. O mais curioso é que estas civilizações teoricamente jamais se comunicaram entre si. A primeira explicação, mais lógica, logo foi descartada: através do cordão umbilical somos alimentados, ele é o centro da vida. Um psicólogo logo me disse que esta teoria não fazia o menor sentido: a idéia central do homem é sempre "cortar" o cordão, e a partir daí o cérebro ou o coração tornam-se símbolos mais importantes. Na mitologia indiana, um dos símbolos de renascimento é o umbigo. No umbigo de Vishnu, divindade indiana responsável pela criação e pela destruição sistemática do universo, senta-se o Deus que tudo irá governar a cada ciclo. Os yogues o consideram como um dos "chackras", ponto sagrado no corpo humano. As tribos mais primitivas costumavam colocar monumentos no lugar onde achavam que se encontrava o umbigo do planeta. Nos textos compilados por antropólogos sobre as crenças de tribos mexicanas, podemos ler:"Quando o feiticeiro começa a entender seu novo universo, ele entra numa espécie de transe, e "vê" que tudo a nossa volta é uma gigantesca teia de filamentos luminosos. Ás vezes estes filamentos se mostram como um ovo de luz, e isso significa que se transformam em um ser humano. O ponto de entrada desta energia no corpo da pessoa corresponde ao local onde está o umbigo."Finalmente, se você conversar com alguma artista profissional em dança do ventre, ela irá dizer que os movimentos mais clássicos são aqueles que tem o umbigo como centro. Obrigado Britney Spears, por me fazer pensar em algo que jamais havia passado pela minha cabeça.

Nenhum comentário: