Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

O CATÓLICO E “O CATÓLICO”

Coerência se tem por demais conhecimento do seu significado: sintonia de vida e pensamento, de ação com palavra. Concomitância do ser com o agir.
Mas não querendo tocar simplesmente mais uma vez neste assunto, uma questão mais freqüente que experimentamos é a do “ser” algo baseado no que recebo. Falo do ser chamado de católico. Evidentemente, ser chamado de católico segue aos sacramentos recebidos e estes por sua vez seguem pela filiação divina a que todos estamos deitados. Mas ser chamado de católico mesmo que por toda a teologia que este chamamento requer esta, na vida prática, também vinculada à transparência, como a honestidade. Assim, sou católico enquanto ajo como católico, não somente sou católico porque recebo inevitavelmente uma filiação divina. Do mesmo modo alguém é pagodeiro na medida em que gosta de pagode e não somente gosta como canta e toca pagode.
Ora, o católico então para ser católico “canta” e “toca” como católico, ou seja, anda, pensa, fala e age como católico!
Pelo contrário temos “o católico” que até pode gostar de ser católico, mas não “canta” e nem “toca” como o católico. Dissonância! Incoerência! Duplicidade!
Isso tudo nos remonta a velha palavra já conhecida: IN-COERÊNCIA.


Pax Christi

Nenhum comentário: