Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quinta-feira, 7 de maio de 2009

PESQUISA COM CÉLULAS-TRONCO EMBRIONÁRIAS PREOCUPA IGREJA NA COREIA

PESQUISA COM CÉLULAS-TRONCO EMBRIONÁRIAS PREOCUPA IGREJA NA COREIA


O Comitê Nacional de Bioética quer autorizá-la em um hospital local


SEUL, terça-feira, 5 de maio de 2009 (ZENIT.org).- O Comitê de Bioética da Conferência Episcopal coreana mostrou sua oposição à decisão do Comitê Nacional de Bioética (CNB), anunciada em 29 de abril passado, de autorizar a pesquisa com embriões humanos em um hospital local.

Seu presidente, o bispo de Cheoungju, Dom Gabriel Chang Bong-Hun, reagiu imediatamente ao anúncio do CNB com um comunicado sobre o qual informa a agência de notícias UCA News

O comunicado assinala que a Igreja está muito preocupada por esta pesquisa porque supõe manipular e destruir embriões, cada um dos quais é uma vida humana. 

O bispo destacou que a Igreja é consciente da dor das pessoas que sofrem por doenças incuráveis e recordou que a Igreja apoia a pesquisa com células-tronco adultas. 

Na Coreia do Sul, desenvolveram-se pesquisas com células-tronco adultas no Instituto de Terapia Celular e Genética do Centro Médico Católico, afiliado à Escola de Medicina da Universidade Católica da Coreia, algumas delas financiadas pelo próprio governo. 

Atualmente, no país está permitida a pesquisa com embriões com fins terapêuticos e com algumas determinadas condições estabelecidas pelo CNB. 

No momento, contudo, a decisão do Comitê Nacional de Bioética está pendente de uma aprovação final do Ministério de Saúde, Bem-estar e Assuntos de Família. 

Desde que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, levantou as restrições do anterior governo à pesquisa com embriões, em 9 de março passado, a mídia e os cientistas da Coreia do Sul pressionaram com força o governo para que permitisse essas pesquisas no país. 

Por sua vez, a Coreia do Sul tem muito viva a lembrança dos problemas éticos de pesquisas como a que falsamente se apresentou ao mundo como a primeira clonagem de um embrião humano, em 2005. 

O próprio Papa Bento XVI alertou, ao receber o embaixador da Coreia do Sul em 2007, sobre a tentação de que a pesquisa científica pisoteie a dignidade fundamental do ser humano, como no caso dos experimentos com embriões humanos que depois são destruídos.

Nenhum comentário: