Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Videoconferência de Bento XVI ao Encontro das Famílias

A família cristã, «Evangelho vivo» que todos podem lerCIDADE DO MÉXICO, domingo, 18 de janeiro de 2009 (ZENIT.org).
- Publicamos a videomensagem que Bento XVI gravou por ocasião do evento festivo e de testemunho do VI Encontro Mundial das Famílias celebrado na noite de sábado.
A videomensagem não pôde ser transmitida na explanada da Basílica de Guadalupe, como estava previsto ao final do evento, por causa do frio e da chuva. Foi apresentada neste domingo antes que começasse a missa de encerramento do Encontro Mundial.

* * *
Queridos irmãos e irmãs,Queridas famílias
1. A todos vocês congregados para celebrar o VI Encontro Mundial das Famílias sob o maternal olhar de Nossa Senhora de Guadalupe, «desejo a graça e a paz de Deus Pai e do Senhor Jesus Critos» (2 Ts 1, 2).
Acabam de rezar o Santo Rosário, contemplando os mistérios gozosos do Filho de Deus feito homem, que nasceu na família de Maria e José e cresceu em Nazaré dentro da intimidade doméstica, entre as ocupações diárias, a oração e as relações com os vizinhos. Sua família o acolheu e o protegeu com amor, o iniciou na observância das tradições religiosas e das leis de seu povo, o acompanhou para a maturidade humana e para a missão à qual estava destinado. «E Jesus – disse o Evangelho de São Lucas – crescia em sabedoria, idade e graça diante de Deus e dos homens» (Lc 2, 52).
Os mistérios gozosos foram se alternando com o testemunho de algumas famílias cristãs provenientes dos cinco continentes, que são como um eco e um reflexo em nosso tempo da história de Jesus e sua família. Estes testemunhos nos mostraram como a semente do Evangelho continua germinando e dando fruto nas diversas situações do mundo de hoje.
2. O tema deste VI Encontro Mundial das Famílias – A família, formadora nos valores humanos e cristãos – vem recordar que o ambiente doméstico é uma escola de humanidade e de vida cristã para todos os seus membros, com consequências benéficas para as pessoas, a Igreja e a sociedade. Com efeito, o lar está chamado a viver e cultivar o amor recíproco e a verdade, o respeito e a justiça, a lealdade e a colaboração, o serviço e a disponibilidade para com os demais, especialmente para com os mais frágeis. O lar cristão, que deve «manifestar a todos a presença viva do Salvador no mundo e na natureza autêntica da Igreja» (Gaudium et spes, 48), há de estar impregnado da presença de Deus, pondo em suas mãos o acontecer cotidiano e pedindo sua ajuda para cumprir adequadamente sua imprescindível missão.
3. Para isso é de suma importância a oração em família nos momentos mais adequados e significativos, pois, como o Senhor mesmo assegurou: «onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estarei no meio deles» (Mt 18, 20). E o Mestre está certamente com a família que escuta e medita a Palavra de Deus, que aprende dEle o mais importante na vida (cfr. Lc 10, 41-42) e põe em prática seus ensinamentos (cf. Lc 11, 28). Deste modo, se transforma e se melhora gradualmente a vida pessoal e familiar, se enriquece o diálogo, se transmite a fé aos filhos, se acrescenta o gosto de estar juntos e o lar se une e consolida mais, como uma casa construída sobre a rocha (cf. Mt 24-25). Não deixem os pastores de ajudar as famílias a que aproveitem frutuosamente a Palavra de Deus na Sagrada Escritura.
4. Com a força que brota da oração, a família se transforma em uma comunidade de discípulos e missionários de Cristo. Nela se acolhe, se transmite e se irradia o Evangelho. Como dizia meu venerado predecessor o Papa Paulo VI: «os pais não só comunicam aos filhos o Evangelho, mas podem por sua vez receber deles este mesmo Evangelho profundamente vivido» (Evangelii nuntiandi, 71).
A família cristã, vivendo a confiança e a obediência filial a Deus, a fidelidade e a acolhida generosa dos filhos, o cuidado dos mais fracos e a prontidão para perdoar, se converte em um Evangelho vivo, que todos podem ler (cf. 2 Co 3, 2), em sinal de credibilidade talvez mais persuasivo e capaz de interpelar o mundo de hoje. Há de levar também seu testemunho de vida e sua explícita profissão de fé aos diversos âmbitos de seu meio, como a escola e as diversas associações, assim como comprometer-se na formação catequética de seus filhos e as atividades pastorais de sua comunidade paroquial, especialmente aquelas relacionadas com a preparação ao matrimônio ou dirigidas especificamente à vida familiar.
5. A convivência no lar, ao mostrar que liberdade e solidariedade se complementam, que o bem de cada um há de contar com o bem dos outros, que as exigências da estrita justiça hão de estar abertas à compreensão e o perdão como caminho do bem comum, é um dom para as pessoas e uma fonte de inspiração para a convivência social. Com efeito, as relações sociais podem tomar como referência os valores constitutivos da autêntica vida familiar para humanizar-se cada dia mais e encaminhar-se para a construção da «civilização do amor».
Também, a família é também célula vital da sociedade, o primeiro e decisivo recurso para seu desenvolvimento, e tantas vezes o último amparo das pessoas às quais as estruturas estabelecidas não chegam a cobrir satisfatoriamente em suas necessidades.
Por sua função social essencial, a família tem direito a ser reconhecida em sua própria identidade e a não ser confundida com outras formas de convivência, assim como a poder contar com a devida proteção cultural, jurídica, econômica, social, de saúde e, muito particularmente, com um apoio que, tendo em conta o número dos filhos e dos recursos econômicos disponíveis, seja suficiente para permitir a liberdade de educação e de eleição da escola.
É necessário, portanto, desenvolver uma cultura e uma política da família, que sejam impulsionadas também de maneira organizada pelas próprias famílias. Por isso as alento a unir-se às associações que promovem a identidade e os direitos da família, segundo uma visão antropológica coerente com o Evangelho, assim como convido tais associações a coordenar-se e a colaborar entre elas para que sua atividade seja mais incisiva.
6. Ao terminar, exorto todos vocês a ter uma grande confiança, pois a família está no coração de Deus, Criador e Salvador. Trabalhar pela família é trabalhar pelo futuro digno e luminoso da humanidade e pela edificação do Reino de Deus. Invoquemos unidos humildemente a graça divina, para que nos ajude a colaborar com afinco e alegria na nobre causa da família, chamada a ser evangelizada e evangelizadora, humana e humanizadora.
Nesta bela tarefa, nos acompanha com sua maternal intercessão e com sua proteção celestial a Santíssima Virgem Maria, a quem hoje invoco com o glorioso título de Nossa Senhora de Guadalupe, e em cujas mãos de Mãe coloco as famílias de todo o mundo.Muito obrigado.

[Traduzido por Zenit© Copyright 2009 - Libreria Editrice Vaticana]

Nenhum comentário: