Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

domingo, 14 de dezembro de 2008

Promiscuidade animal

Recentemente li um polêmico, mas interessante artigo no jornal americano New York Times (25/3/2008). Escrito por Natalie Angier, o texto baseia-se em pesquisas de respeitados biólogos e psicólogos sobre a monogamia. E chega-se a uma impressionante conclusão: a infidelidade conjugal está presente em todo o reino animal.
Não só isso: estudos mostram que existem determinadas espécies que "pagam" por sexo, enquanto outras recompensam suas "amantes" com presentes e carinho. Para completar, o ciúme e o machismo também estão ali: fêmeas são violentamente atacadas se copulam com outro parceiro. Claro, não somos animais, mas as semelhanças acima são muito reveladoras. Vale a pena transcrever algumas partes interessantes do artigo em questão. 1] Existem muitas espécies que são educadas desde a mais tenra idade para se casar com alguém escolhido pela família. Voam e brincam juntos, cantam, dançam. Ou seja: são educados para impressionar a comunidade, provando que nasceram um para o outro. 2] Entretanto, a monogamia social é raramente acompanhada de monogamia sexual. Exames de DNA em macacos, pássaros, animais selvagens, quando tem sua descendência examinada à luz da ciência moderna, mostram que de 10% a 70% dos filhos foram gerados por outro que não era o macho residente. 3] O professor David Barash, da Universidade de Washington em Seattle, declara: "No mundo infantil, a infância. No mundo adulto, o adultério". Por muito tempo acreditou-se que os cisnes eram um modelo de fidelidade. Através dos tais exames de DNA, concluiu-se que nem os cisnes estão imunes à tentação. 4] A única espécie completamente monogâmica é uma ameba, a Dilozoon Paradoxum, que é encontrada em organismos de certos peixes. Barash explica: "macho e fêmea se encontram ainda jovens, e seus corpos literalmente se fundem em um só. A partir daí, passam a ser fiéis até que a morte os separe". Neste caso, a morte coincide com a do peixe que os abriga. 5] A "mais velha profissão do mundo", como é conhecida a prostituição, também se manifesta no reino animal. É comum encontrar machos que cobrem sua fêmea com presentes: roedores, lagartas e insetos. Mas quando o mesmo macho decide ter, digamos, uma relação extracurricular, a amante recebe presentes maiores que a companheira. 6] A lei da concorrência também se aplica no mundo animal: se existe muita oferta, o preço é baixo. Entretanto, se as fêmeas escasseiam, elas se transformam em um objeto de desejo que merece as melhores e mais sofisticadas recompensas. Entendam bem que transcrevi nesta coluna o resultado de pesquisas feitas por cientistas e psicólogos especializados em estudar o reino animal. Todos nós podemos - e devemos - ter nossa opinião a respeito da monogamia. Todos nós podemos dizer que somos uma espécie mais evoluída, o que é absolutamente verdade. A única coisa que não podemos fazer é culpar a ciência por dar resultados que muitas vezes contradizem nossa maneira de pensar!

Nenhum comentário: