Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

XXXIII Domingo do Tempo Comum


Lc 21,519

Estimado Padre!
Queridos irmãos e irmãs!


Para vós, que temeis o meu nome, nascerá o sol da justiça... (Ml 3,20a).
Já reparamos que nestes últimos domingos do ano litúrgico encontramos
nos evangelhos proclamados Jesus falando no que parece ser o fim dos
tempos. Na verdade o evangelista escreve este evangelho depois da
Ressureição de Cristo e da destruição do Templo de Jerusalém. Por isso, o
evangelista recorda o que Jesus falou a respeito do que iria acontecer para
mostrar que Ele tinha razão, e então alimentar a persevarança dos discípulos.
Ao falar deste modo Jesus quer mais advertir sobre o que já falou do que
ensinar alguma novidade. Todo seu discurso sobre os males que virão a
acontecer tem o objetivo de preparar para as dificuldades, consolar os que já
se encontram nelas e firmar o objeto de nossa fé.
Neste trecho do evangelho encontramos 4 elementos importantes dos
ensinamentos de Jesus: o primeiro versa sobre a importância das coisas belas
e verdadeiras, mas mais do que isso, da maneira como nós as devemos olhar.
Devemos admirar a beleza das coisas criadas por Deus, e das coisas criadas
pelo homem. No entanto, isto não quer dizer que todas elas sejam
“verdadeiras”, “belas”. Nosso esforço deve ser de distinguir o que realmente é
BELO, ou seja, que realmente reflete a beleza de Deus através de suas
criaturas, daquilo que reflete o mal e só nos afastam de Deus. Isto requer de
nossa parte um esforço que muitas das vezes não estamos dispotos a fazer
sem uma obrigação. O que encontramos nas palavras de Jesus é o seguinte: a
admiração da beleza aqui é válida enquanto não me afasta do que é o
essencial, isto é, que estas coisas não são a minha salvação.
No segundo elemento temos um artigo de nossa fé: Creio... em Jesus
Cristo... nosso Senhor... que há de jugar os vivos e os mortos. Mais do que mero
discurso é importante ter em mente que somos frágeis e facilmente
esquecemos das coisas ou as abrandamos em nossa mente. Ter certeza de uma
coisa é simples basta que a verifiquemos: para ter certeza que um ventilador
novo funciona é só ligar na tomada. Quando se trata daquilo que cremos, ou
melhor, de nossa existência como cristãos, não é simples assim. Para começar
não devemos adquirir certeza de uma coisa, mas de uma pessoa. Nossa
firmeza e coragem segundo a fé só alcançaremos quando tivermos certeza
desta pessoa, assim podem aparecer milhares de outros dizendo serem Ele,
dizendo que fazem curas, dizendo que dam muita energia, dizendo que faram
você ter dinheiro, etc... mas mesmo assim não acreditaremos, mesmo que
sejam simpáticos, ou que falem bem, pois já temos uma certeza, uma força,
uma fonte, um sustento para nós, uma pessoa: JESUS nosso Senhor.
Depois [terceiro], verificamos que a verdade custa para nós. Mesmo
tendo esta certeza, somos forçados a dizer que mesmo lutando sofremos para
defender aquilo que é a verdade. Se queremos demonstrar que agimos
conforme o que é verdadeiro ou certo, somos tachados e perseguidos, somos
atacados e ridicularizados (às vezes nem percebemos). Agir segundo Jesus,
nosso Senhor e Deus, segundo a verdade não é simples porque virão
dificuldades e o mal não permitirá que a verdade apareça com facilidades. Por
isso a advertência de Cristo: sereis entregues... antes que o grande dia de
estarmos diante de Deus venha, respiramos sobre a tarefa de viver como
Jesus, coerentemente, e isso vai levar inevitavelmente a sofrimentos,
pequenos ou grandes, mas a recompensa vale o custo. Como dizia Fernando
Pessoa no seu poema Mensagem, “tudo vale a pena quando alma não é
pequena”.
Neste sentido [quarto] é que Jesus encerra recomendando para não
gastar tempo pensando no que dizer perante os juízes, ou seja, aquele que
sempre está trilhando o caminho da verdade verá que não será dificil mostralá
aos outros e que será inspirado por Deus para apresentar a beleza de sua fé
sem medo, pois sua vida já é uma obra belíssima que reflete a Deus sem
cessar.
Com tudo isto, ouvindo estas palavras de Cristo pensemos como é belo
viver nossa fé e como é mais belo ainda quando estou pronto sempre em
qualquer momento.

Nenhum comentário: