Destaque:

A retrospectiva de Brás Cubas

Tenho grande apreço por Machado de Assis, pois acredito que sua contribuição para a Literatura Brasileira foi muito além de incrementar ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

domingo, 18 de novembro de 2007

Sétima palavra: casamento

Termino hoje a série de sete palavras (milagre, tortura, prece, sofrimento, conselho, xenofobia, casamento) que considero extremamente relevantes para o nosso tempo, e que pedi que meus leitores comentassem. Para quem desejar ter uma idéia geral, visite www.paulocoelhoblog.com: Discuss

Stella: eu estou condenada a te amar, e isso é a minha salvação. Terei que viver para sempre nas sombras de teus olhos, aceitar o fato de que tudo o que tua mão toca desperta em mim o que há de melhor. Tudo aquilo que conheço é teu amor, e nada mais me interessa.

Prajakta: duas pessoas se juntam, o amor provoca mais amor. Dois seres imperfeitos se unem, e a perfeição se torna possível.

Dasha: a cerimônia do casamento é apenas um símbolo, e poderíamos viver muito bem sem as pressões que ela acarreta. O amor é livre, selvagem, e quanto mais nos sentimos neste estado de total liberdade, mais temos consciência da alegria que significa viver com uma outra pessoa porque escolhemos, e não porque a sociedade nos obrigou a isso.

Leila: na minha religião (Islã) o casamento responde pela metade dos atos de adorar a Deus. Não consigo compreender religiões que pregam o celibato e o ascetismo, afastando o ser humano de sua condição natural.

Nadia: eu preciso de amor. Eu preciso que alguém diga que está apaixonado por mim, e isso é tudo. Não tenho necessidade de um vestido branco e uma bênção da igreja, mas parece que sou a única a pensar assim entre as minhas amigas. Todas elas temem a solidão; se eu não encontrar alguém que me entenda profundamente, que mal há em ficar sozinha? Mas a pressão é tão grande, que acho que vou ter que aceitá-la cedo ou tarde, ou o meu amor-próprio estará seriamente comprometido.

Liz: vou me casar daqui ha duas semanas, e tenho conversado compulsivamente sobre o assunto. Qual a conclusão que cheguei? Com ou sem a cerimônia formal, um casal será sempre aquilo que pode ser. A única coisa que muda é que teremos que esconder nossas brigas.

Neel P.: acredito que um casal que coloque Deus no centro de suas vidas saberá também colocar o casamento no lugar que lhe cabe. Estar com outra pessoa não é endeusá-la, mas ver isso como uma parte das bênçãos divinas que todos os dias afetam nossas vidas - como amor, sexo, música, solidão, e até mesmo sofrimento. O casamento não é de maneira nenhuma um destino, mas parte do nosso caminho, e tenho certeza que Deus usa essa união por uma razão muito além de perpetuar a espécie.

Paulo Coelho: eu adoro escrever estas colunas em bares, e estou fazendo isso no momento. Diante de mim está uma mulher com óculos escuros, folheando uma revista. Há minutos atrás ela perguntou se eu estava com fome, eu disse que não, e ela voltou à sua leitura.

Ela podia estar em casa, ou em um cinema, em outro restaurante com amigos, mas sinto necessidade que esteja ao meu lado. Às vezes traz seus cadernos de esboços (é pintora), outras vezes tem outras coisas para fazer, mas sempre que pode me acompanha aos muitos bares da vida. Estamos juntos há 27 anos. Já vivemos muitas crises, e sobrevivemos a todas elas. Construímos e reconstruímos o nosso casamento a cada dia, e embora pareça a mesma mulher que conheci em 1979, soube transformar-se e adaptar-se com o tempo que nos ensina e nos obriga a andar adiante.

Há alguns momentos, um menino veio até a nossa mesa. Trouxe uma pequena sacola de amostras grátis de perfume, e disse que sua mãe estava nos enviando de presente. Olhei a mulher, ela sorriu. Com certeza entende que embora exista um computador entre mim e a mulher de óculos escuros a minha frente, as nossas almas estão conectadas. Termino esta coluna, termino esta série de palavras, vou abrir um dos perfumes e bendizer minha união com minha mulher.

paulocoelho@paulocoelho.com.br
www.paulocoelhoblog.com/bruxadeportobello

Nenhum comentário: