Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

domingo, 15 de julho de 2007

Fragmentos de um diário inexistente

Hakone, Japão

Consigo que meu editor, Masao Masuda, finalmente me convide para a tradicional cerimônia do chá. Vamos para uma montanha perto de Hakone, entramos num pequeno quarto, e sua irmã, vestida ritualmente em quimono, nos serve chá.

Só isso. Entretanto, tudo é feito com tanta seriedade e protocolo, que uma prática cotidiana transforma-se num momento de comunhão com o Universo.

O mestre do chá, Okakusa Kasuko, explica o que acontece: “A cerimônia é a adoração do belo. Todo seu esforço concentra-se na tentativa de atingir o perfeito através dos gestos imperfeitos da vida cotidiana. Toda a sua beleza consiste em respeitar as coisas simples que fazemos, pois elas podem nos transportar até Deus”.

Copacabana, Rio de Janeiro

Estou andando pelo calçadão, e escuto uma moça dizendo para a outra, de maneira convicta: “Eu programei minha vida da seguinte maneira...”

Fiquei pensando: será que ela conta com as coisas que aparecem justamente quando não estamos esperando? Pensou que Deus talvez tenha um plano diferente, e muito mais interessante? Levou a sério a hipótese de que - ao incluir outras pessoas na sua programação - esteja interferindo em idéias e projetos distintos?

Não sei se a frase que escutei era fruto da inexperiência ou do delírio total.

Melbourne, Austrália

Piso no palco com a apreensão de sempre. Um escritor local, John Felton, me apresenta e começa a me fazer perguntas. Antes que eu possa terminar um raciocínio, ele me interrompe e faz uma nova pergunta. Quando respondo, comenta algo como “esta resposta não foi bem clara”. Cinco minutos depois, nota-se um mal-estar na platéia. Lembro-me de Confúcio, e faço a única coisa possível:

- Você gosta do que eu escrevo? pergunto.

- Isso não vem ao caso, responde. Sou eu a entrevistá-lo, e não o contrário.

- Vem ao caso, sim. Você não me deixa concluir uma idéia. Confúcio disse: “Sempre que possível, seja claro”. Vamos seguir este conselho e deixar as coisas claras: você gosta do que escrevo?

- Não, não gosto. Só li dois livros, e detestei.

- OK, então podemos continuar.

Os campos agora estavam definidos. A platéia relaxa, o ambiente enche-se de eletricidade, a entrevista vira um verdadeiro debate, e todos inclusive Felton ficam satisfeitos com o resultado.

No avião de Melbourne para Los Angeles

Recorto da revista de bordo o trecho atribuído a Loren Eisley:

“A viagem é difícil, longa, às vezes impossível. Mesmo assim, conheço poucas pessoas que se deixaram deter por essas dificuldades. Entramos no mundo sem saber direito o que aconteceu no passado, quais as conseqüências que isso nos trouxe, e o que pode nos reservar o futuro”.

“Procuraremos viajar o mais longe que pudermos. Mas, olhando a paisagem a nossa volta, sabemos que não será possível conhecer e aprender tudo”.

“Então, nos resta lembrar tudo sobre a nossa viagem, para que possamos contar histórias. Aos nossos filhos e netos, vamos relatar as maravilhas que vimos e os perigos que corremos. Eles também nascerão e morrerão, contarão suas histórias aos seus descendentes, e a caravana ainda não terá chegado ao seu destino”.

Nenhum comentário: