Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

domingo, 8 de abril de 2007

Segunda virtude cardinal: esperança

Para o dicionário: s. f. tendência do espírito para considerar algo como provável; a segunda das virtudes teologais; expectativa; suposição; probabilidade.

Nas palavras de Jesus: Olhai para as aves do céu: Não semeiam, nem ceifam, nem recolhem em celeiros; e o vosso Pai celeste alimenta-as. Não valeis vós mais do que elas? Qual de vós, por mais que se preocupe, pode acrescentar um só côvado à duração de sua vida? Porque vos preocupais com o vestuário? Olhai como crescem os lírios do campo! Não trabalham nem fiam. Pois Eu vos digo: Nem Salomão, em toda a sua magnificência, se vestiu como qualquer deles. Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada ao fogo, como não fará muito mais por vós, homens de pouca fé? (Mateus, 6: 26-30)

Para os antigos gregos: Em um dos clássicos mitos da criação, um dos deuses, furioso com o fato de Prometeu roubar o fogo e com isso dar independência ao homem, envia Pandora para casar-se com seu irmão, Epimeteus. Pandora traz consigo uma caixa, a qual foi proibida de abrir. Entretanto, da mesma maneira que Eva no mito cristão, sua curiosidade é mais forte: levanta a tampa para ver o que contém, e neste momento todas as desgraças e males do mundo saem dali e se espalham pela Terra. Apenas uma coisa fica lá dentro: a Esperança, única arma para combater os males que se espalharam.

As quatro maiores esperanças da humanidade:

1] A vinda do Messias (no caso do Cristianismo, o retorno de Cristo, e no caso do Islã e do Judaísmo, a primeira vinda); 2] A cura do câncer; 3] A descoberta de vida extraterrestre; 4] a paz universal (fonte: pesquisa sobre as mais esperadas manchetes de jornal, 1996).

Uma história real: Aos cinco anos de idade, Glenn Cunninghan (1909-1988) sofreu sérias queimaduras nas pernas e os médicos não tinham esperanças de sua recuperação. Todos achavam que ele estava condenado a passar o resto da vida na cadeira de rodas.

Glenn Cunningham não deu ouvidos aos doutores e saiu da cama na semana seguinte.

“Os médicos viam as minhas pernas, mas não o meu coração. Agora vou correr mais rápido que qualquer pessoa”.

Em 1934, bateu o recorde mundial de 1.500m com 4m06s. Foi homenageado como atleta do século no Mandison Square Garden.

Em uma história hassídica (tradição judaica): No final dos quarenta dias de dilúvio, Noé saiu da arca. Desceu cheio de esperança, acendeu incenso, olhou a sua volta, e tudo que viu foi destruição e morte. Noé reclamou:

“Todo-Poderoso, se conhecias o futuro, por que criastes o homem? Só para ter o prazer de castigá-lo?” Um perfume triplo subiu até os céus: o incenso, o perfume das lágrimas de Noé e o aroma de suas ações. Então veio a resposta:

“As preces de um homem justo sempre são ouvidas. Vou te dizer porque fiz isto: para que entendesses tua obra. Tu e teus descendentes usarão a esperança, e estarão sempre reconstruindo um mundo que veio do nada. Desta maneira, dividiremos o trabalho e as conseqüências: agora ambos somos responsáveis.”

As quatro maiores esperanças do indivíduo:

1] o encontro com o bem-amado; 2] ausência de problemas financeiros; 3] ausência de doenças; 4] imortalidade (fonte: livro das Listas, Irving Wallace, 1977).

Esperando ser lembrado: O grande califa Alrum Al-Rachid resolveu construir um palácio que marcasse a grandeza de seu reino. Ao lado do terreno escolhido, havia uma choupana. Al-Rachid pediu ao seu ministro que convencesse o dono - um velho tecelão - a vendê-la para ser demolida. O ministro tentou, sem êxito; de volta ao palácio, sugeriram que simplesmente expulsassem o velho do lugar.

“Não”, respondeu Al-Rachid. “Ela passará a fazer parte do meu legado ao meu povo. Quando virem o palácio, dirão: ele foi grande. E, quando virem a choupana, dirão: ele foi justo, porque respeitou o desejo dos outros.”

(na próxima semana: Amor)

Nenhum comentário: