Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

domingo, 4 de fevereiro de 2007

Quarto pecado capital: Ira

Segundo o dicionário: substantivo feminino, do latim Ira.  cólera; zanga; indignação; raiva; desejo de vingança.

Para a Igreja Católica: a ira não atenta apenas contra os outros, mas pode voltar-se contra aquele que deixa o ódio plantar sementes em seu coração, e neste caso normalmente é levado ao suicídio. Precisamos entender que o castigo e a execução do mesmo pertencem a Deus.

No “Verba Seniorum” (A Palavra dos Antigos): Dois sábios, que viviam na mesma ermida no deserto do Saara, conversavam um dia: “vamos brigar para que não nos afastemos do ser humano, ou terminaremos por não compreender direito as paixões que o torturam”, disse um deles.

“Não sei como começar uma briga.”

“Pois façamos o seguinte: eu coloco este tijolo aqui no meio, e você me diz: é meu. Eu responderei: não, este tijolo é meu. Então começaremos a discutir, e terminaremos brigando.”

E assim fizeram. Um disse que o tijolo era dele. O outro contestou, dizendo que não. “Não vamos perder tempo com isto, fique com este tijolo”, disse o primeiro. “Sua idéia para a briga não foi muito boa. Quando percebemos que temos uma alma imortal, é impossível discutir por causa de coisas.”

Em estudo de laboratório: Janice Williams acompanhou por seis anos 13.000 homens e mulheres com idade entre 45 e 64 anos e, tomando o comportamento como base, descobriu que as pessoas que se irritam intensamente, e com freqüência, têm três vezes mais probabilidades de sofrer um infarto do que aquelas que encaram as adversidades com mais serenidade (Williams, 2000).

Isso ocorre porque, a cada episódio de raiva, o organismo libera uma carga extra de adrenalina no sangue. A alta concentração de adrenalina aumenta o número de batimentos cardíacos e, simultaneamente, torna mais estreitos os vasos sanguíneos, elevando a pressão arterial. A repetição desses episódios pode gerar dois problemas em geral associados ao infarto: alteração do ritmo cardíaco e uma súbita dilatação das placas de gordura que, porventura, estejam nas artérias. (Fonte: Ballone G.J. - Raiva e Ódio, emoções negativas)

Na música popular brasileira: Mas enquanto houver força em meu peito eu não quero mais nada / Só vingança! Vingança! Vingança! aos santos clamar/ Você há de rolar como as pedras que rolam na estrada / sem ter nunca um cantinho seu pra poder descansar. (Lupicínio Rodrigues)

Nas palavras de William Blake: Eu tinha raiva do meu amigo: comentei isso com ele, e a raiva passou. Eu tinha raiva do meu inimigo: não comentei isso com ele, e a raiva aumentou.

No ódio ao estrangeiro (xenofobia): “Todos os países do Oeste estão infiltrados por muçulmanos. Alguns deles são até mesmo capazes de conversar amavelmente, enquanto aguardam o momento de nos assassinar. Dizem que os eventos de 11 de setembro (2001) aconteceram por causa de um choque de civilizações. É mentira: um choque de civilizações requer duas civilizações distintas, e esse não é o caso. Existe apenas uma civilização: a nossa.” (Declarações dos dirigentes do Partido Dinamarquês do Povo - DPP semeando o ódio e o novo fascismo, que a Europa e o mundo inteiro assistem crescer sem tomar sérias providências)

Comentário do Tao Te King: Todas as armas são instrumentos do mal, não sendo em absoluto instrumentos do sábio príncipe. Ele as usa somente quando premido pela necessidade. A calma e o repouso são o que ele valoriza; a vitória pela força das armas lhe é indesejável.

Considerá-la necessária é sinal de que o homem tem prazer com a matança de outros homens, e aquele que se compraz com tal matança não poderá dirigir um império.

Quando quisermos enfraquecer alguém, devemos primeiro fortificá-lo. Se pretendermos derrotá-lo, devemos primeiro elevá-lo. Se tencionarmos despojá-lo, devemos primeiro dar-lhe presentes. Este é o chamado sutil discernimento.

Assim, os submissos e os fracos conquistarão os duros e fortes.

(próxima semana: Gula)

paulocoelho@paulocoelho.com.br

www.paulocoelhoblog.com/bruxadeportobello

Nenhum comentário: