Destaque:

A retrospectiva de Brás Cubas

Tenho grande apreço por Machado de Assis, pois acredito que sua contribuição para a Literatura Brasileira foi muito além de incrementar ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 2 de março de 2004

Histórias da Mãe Natureza

O leão e os gatos

Um leão encontrou um grupo de gatos conversando.

"Vou devorá-los", pensou.

Mas começou a sentir-se estranhamente calmo. E resolveu sentar-se com eles, para prestar atenção no que diziam.

- Meu bom Deus - disse um dos gatos, sem notar a presença do leão. - Oramos a tarde inteira! Pedimos que chovesse ratos do céu!

- E, até agora, nada aconteceu! - disse outro. - Será que o Senhor não existe?

O céu permaneceu mudo. E os gatos perderam a fé.

O leão levantou-se, e seguiu seu caminho, pensando: "Veja como são coisas. Eu ia matar esses animais, mas Deus me impediu. Mesmo assim, eles pararam de acreditar nas graças divinas: estavam tão preocupados com o que estava faltando, que nem repararam na proteção que receberam".

Em silêncio

A árvore estava tão cheia de maçãs, que seus galhos não conseguiam se mexer com o vento.

- Por que não fazes barulho? Afinal, todos nós temos alguma vaidade, e precisamos chamar a atenção dos outros - comentou o bambu.

- Não preciso. Meus frutos são minha melhor propaganda - respondeu a árvore.

A margarida e o egoísmo

"Sou uma margarida num campo de margaridas", pensava a flor. "No meio das outras, é impossível notar minha beleza."

Um anjo escutou o que ela pensava, e comentou:

- Mas você é tão bonita!

- Quero ser única!

Para não ouvir reclamações, o anjo a transportou até a praça de uma cidade.

Dias depois, o prefeito foi até lá com um jardineiro, para reformar o local.

- Aqui não tem nada que interessa. Revirem a terra e plantem gerânios.

- Um minuto! - gritou a margarida. - Assim vocês vão me matar!

- Se existissem outras como você, poderíamos fazer uma bela decoração - respondeu o prefeito. Mas é impossível encontrar margaridas nas redondezas, e você, sozinha, não faz um jardim.

Logo em seguida arrancou a flor.

Os porcos-espinhos e a solidariedade

O leitor Álvaro Conegundes conta que, durante a era glacial, muitos animais morriam por causa do frio. Os porcos-espinhos, percebendo a situação, resolveram se juntar em grupo; assim, se agasalhavam e se protegiam mutuamente.

Mas os espinhos de cada um feriam os companheiros mais próximos e, por isso, tornaram a se afastar uns dos outros.

Voltaram a morrer congelados. E precisaram fazer uma escolha: ou desapareciam da face da Terra, ou aceitavam os espinhos do semelhante.

Com sabedoria, decidiram voltar a ficar juntos. Aprenderam a conviver com as pequenas feridas que uma relação muito próxima podia causar - já que o mais importante era o calor do outro.

E terminaram sobrevivendo.

Nenhum comentário: