Destaque:

A retrospectiva de Brás Cubas

Tenho grande apreço por Machado de Assis, pois acredito que sua contribuição para a Literatura Brasileira foi muito além de incrementar ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 3 de fevereiro de 2004

De como o mundo é um espelho

O encontro esquecido

O mullah Nasrudin, personagem central da tradição sufi, marcou um encontro com um importante filósofo de sua aldeia - mas terminou distraindo-se com outra coisa, e não chegou na hora marcada.

O filósofo, depois de esperar algum tempo, escreveu na porta da casa de Nasrudin: "Irresponsável!". E foi embora.

Horas depois, Nasrudin apareceu na casa dele.

- Então, você esqueceu nosso compromisso? - bradou o homem.

- Sim, esqueci, e peço desculpas. Mas, ao chegar em casa, vi que você deixara seu nome no portão, e vim imediatamente.

A generosidade e a recompensa

Compadecido com a pobreza do rabino Jusya, Ephraim colocava diariamente algumas moedas debaixo da sua porta. E reparou que, quanto mais dava para Jusya, mais dinheiro ganhava.

Ephraim lembrou-se que o rabino Baer era mestre de Jusya, e pensou: "se sou bem recompensado ao dar para o discípulo, imagine o quanto ganharei se resolver apoiar o seu mestre."

Viajou para Mezritch, e cobriu de presentes o rabino Baer. A partir daí, sua vida começou a piorar, e quase perde tudo.

Intrigado, procurou Jusya e contou o ocorrido.

- É muito simples - disse Jusya. - Enquanto você dava sem pensar em quem recebia, Deus também fazia o mesmo. Mas quando você começou a procurar gente ilustre para fazer suas doações, Deus também passou a fazer a mesma coisa.

Enchendo o copo alheio

Durante um jantar no mosteiro de Sceta, o padre mais idoso levantou-se para servir água aos outros. Foi de mesa em mesa com muito esforço, mas nenhum dos padres aceitou.

"Somos indignos do sacrifício deste santo", pensavam.

Quando o velho chegou na mesa do abade João Pequeno, este pediu que enchesse seu copo até a borda.

Os outros monges olharam horrorizados. No final do jantar, repreenderam João:

- Como pode julgar-se digno de permitir-se ser servido por um homem santo? Não percebeu o quanto lhe custou levantar a garrafa? Não notou como suas mãos tremiam?

"Como posso impedir que o bem se manifeste?, respondeu João. - Vocês, que se acham perfeitos, não tiveram humildade de receber, e o pobre homem não teve a alegria de dar.

O aluno que furtava

Durante uma das aulas do mestre zen Bankei, um aluno foi pego roubando. Todos os discípulos pediram a expulsão do aluno.

Bankei não fez nada. Na semana seguinte, o aluno roubou de novo, mas Bankei o manteve em sua classe. Irritados, os outros escreveram uma petição exigindo que o ladrão fosse punido.

- Como vocês são sábios, disse Bankei, ao ler o pedido. Conhecem a diferença entre o que é certo e o que está errado. Podem estudar em qualquer outro lugar. Mas este pobre irmão - que não sabe o que é certo ou errado - só tem a mim para ensiná-lo, e continuarei fazendo isto.

Uma torrente de lágrimas purificou o rosto do ladrão: o desejo de roubar havia desaparecido.

Nenhum comentário: