Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 24 de fevereiro de 2004

Caracas, 7 de outubro 2003

Estimado sr. Paulo Coelho:

Tenho lido todos os seus livros, e este último me deixou bastante surpresa. Várias vezes durante a leitura, tinha vontade de parar e chorar - apenas pelo fato de ser mulher. Porque não é necessário ter a experiência de uma prostituta para viver as emoções e as confusões que ali estão expostas.

Entretanto, deixe-me acrescentar algumas coisas sobre as mulheres que talvez você não saiba. Todas nós temos um pouco de Maria (a personagem do livro), e sempre nos prometemos jamais voltar a amar, para não sermos feridas e não ferir. Sempre terminamos por quebrar esta promessa, e sempre nos arrependemos.

Não somos completamente boas, nem completamente más.

O prazer sexual não é exatamente nossa maior preocupação, e por isso foi possível esconder durante muitas gerações o fato de que raramente temos o orgasmo da maneira que o homem imagina que temos. Sabe o que nos dá um prazer maior que o sexo? O alimento. Quando amamos um homem, a primeira coisa que queremos saber é se já comeu, se está bem alimentado, e se gostou do que preparamos. Embora as feministas possam me odiar, ver nosso homem comendo é divino! E você não fala disso em seu livro.

O maior problema da mulher latina é que termina sendo a mãe do seu homem. Amor de mãe, que perdoa todas as suas fraquezas (porque sabemos que é fraco, mesmo que passemos o dia inteiro dizendo como é forte), que nos faz querer acreditar que ele sempre voltará para casa, e reconhecerá que o melhor que existe em sua vida é estar ao lado da pessoa que o cuida e o mima. Mas o homem, embora deseje ser amado como um filho, sempre se comporta como um selvagem: deixa-se levar por seus impulsos, por suas paixões do momento, e embora não nos abandone fisicamente, sua alma já partiu e já voltou muitas vezes.

A mulher vive sempre com a esperança de voltar ao passado, de lembrar cada momento que viveu. E se assusta com o fato de que o passado já se foi, e agora o tempo é outro, é curto, e está passando muito rápido. Não falo apenas do relógio biológico, mas do fato de não sentir-se mais desejada, de andar pelas ruas e notar que ninguém vira a cabeça. Então vem este pavor de nunca mais ser tocada como quando era jovem, de nunca mais ver nos olhos de um homem um pensamento erótico ou, eu ousaria dizer pornográfico.

A mulher é romântica, mas sempre deixa o homem assassinar seus sentimentos e por causa disso, pode se transformar em uma destruidora implacável, porque já não tem mais nada a perder.

Outro dia estava conversando com umas amigas, e falávamos de como éramos capazes de sermos "perversas e destruidoras". Mas uma delas comentou:

"Não, não é bem assim, é muito pior! Quando os homens são feridos, eles partem armados, para a vingança, para acabar com seu adversário. Mas quando nós somos feridas por quem amamos, a única coisa que nos passa pela cabeça é preparar um monte de estratégias até conseguir o nosso carrasco de volta, implorando perdão. Nossa vingança é essa: fazer com que ele sinta nossa falta, e retorne."

Que em seu novo livro você procura falar com a voz de uma mulher, e acho que o conseguiu em vários momentos. Mas ali está a visão ideal do sexo feminino, e não a visão real. O personagem se parece mais com o que queremos ser, do que com o que somos realmente.

Mas, de qualquer maneira, é muito importante ver um homem tentando pensar como mulher. Talvez nunca chegue a isso, mas não tem importância, o trajeto é muito interessante, e pode estimular outros a fazerem a mesma coisa.

Da sua leitora fiel, mãe de um filho de 14 anos, e que muitos acusam de pensar como um homem,

Maristela Ordoñez

Em uma cidade dos Pirineus, 24 de outubro de 2003.

Estimada Maristela:

Oxalá os críticos literários tivessem sua sensibilidade.

Um forte abraço

Paulo Coelho

Nenhum comentário: