Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 16 de dezembro de 2003

Do meu inexistente diário de viagem

A piscina do diabo
Estou olhando uma bela piscina natural perto do vilarejo de Babinda, na Austrália. Um jovem índio se aproxima.
- Cuidado para não escorregar - diz ele.
O pequeno lago está circundado por rochas, mas são aparentemente seguras, e é possível caminhar por elas.
- Este lugar se chama Piscina do Diabo -continua o rapaz. - Muitos anos atrás, Oolona, uma bela índia casada com um guerreiro de Babinda, apaixonou-se por um outro homem. Fugiram para estas montanhas, mas o marido conseguiu alcançá-los. O amante escapou, enquanto Oolona era assassinada aqui, nestas águas.
"Desde então, Oolona confunde todo homem que se aproxima com seu amor perdido, e os mata em seus braços de água."
Mais tarde, pergunto ao dono do pequeno hotel sobre a Piscina do Diabo.
- Pode ser superstição - comenta ele. - Mas, o fato é que onze turistas morreram ali nestes dez anos, e todos eram homens.
Refletindo sobre o passado
Todos nós já tivemos, de uma maneira ou de outra, experiências difíceis na vida. Isto faz parte de nossa viagem por esta terra e embora muitas vezes pensemos que "as coisas podiam ter acontecido de outra maneira" - o fato é que não podemos mudar nosso passado.
Por outro lado, é uma mentira pensar que tudo que nos acontece tem o seu lado bom; existem coisas que deixam marcas muito difíceis de superar, feridas que sangram muito.
Como, então, nos livrarmos de nossas experiências amargas? Só existe uma maneira: vivendo o presente. Entendendo que, embora não possamos mudar o passado, podemos mudar a próxima hora, o que acontecerá durante a tarde, as decisões a serem tomadas antes de dormir. Como diz o velho provérbio hippie: "Hoje é o primeiro dia do resto da minha vida".
Das nossas possibilidades
Anoto no meu computador algumas palavras de K. Casey que li em uma revista no avião:
"Como a raça humana é curiosa, tão parecida e tão diferente! Somos capazes de trabalhar juntos, construir as pirâmides do Egito, a Grande Muralha da China, as catedrais da Europa e os templos do Peru. Podemos compor músicas inesquecíveis, trabalhar em hospitais, criar novos programas de computador.
"Mas, em algum momento, tudo isto perde seu significado, e nos sentimos sós, como se fizéssemos parte de um outro mundo, diferente daquele que ajudamos a construir.
"Às vezes, quando outros precisam de nossa ajuda, ficamos desesperados porque isso nos impede de aproveitar a vida. Outras vezes, quando ninguém precisa de nós, nos sentimos inúteis. Mas somos assim, seres humanos complexos, que agora estamos começando a nos entender; não vale a pena se desesperar por causa disso".
Antes de uma conferência
Uma escritora chinesa e eu nos preparávamos para falar em um encontro de livreiros americanos. A chinesa, extremamente nervosa, comentava comigo:
- Falar em público já é difícil, imagine então ser obrigada a explicar seu livro usando um outro idioma!
Pedi que parasse, ou também iria ficar nervoso, pois seu problema era igual ao meu. De repente virou-se para trás, sorriu, e me disse baixinho:
- Tudo vai correr bem, não se preocupe. Não estamos sós: olhe o nome da livraria da mulher sentada atrás de mim.
No crachá da mulher estava escrito: "Livraria dos Anjos Reunidos". Tanto eu como ela conseguimos fazer uma excelente apresentação de nossos trabalhos, porque os anjos nos deram o sinal que estávamos esperando.

Nenhum comentário: