Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 9 de dezembro de 2003

Da culpa e do perdão

Durante sua peregrinação a Meca, um homem santo começou a sentir a presença de Deus ao seu lado. No meio de um transe, ajoelhou-se, escondeu o rosto, e rezou:
- Senhor, quero pedir apenas uma coisa na minha vida: que eu tenha a graça de jamais ofende-Lo.
- Não posso conceder esta graça - respondeu o Todo-Poderoso.
Surpreso, o homem quis saber o motivo da recusa.
- Se você não me ofender, não terei motivos para perdoa-lo - escutou o Senhor dizer. - Se eu não preciso perdoa-lo, você em breve esquecerá a importância da misericórdia para com os outros. Por isso, continue o seu caminho com Amor, e deixe-me praticar o perdão de vez em quando, para que você também não se esqueça desta virtude.
A história ilustra bem os nossos problemas com a culpa e o perdão. Quando crianças, sempre escutávamos nossa mãe dizendo: "meu filho fez tal bobagem porque seus amigos o influenciaram. Ele é uma pessoa muito boa".
E desta maneira, nunca assumimos a responsabilidade por nossos gestos, não pedimos perdão e terminamos esquecendo que também devemos ser generosos quando o outro nos ofende. O ato de pedir perdão nada tem a ver com o sentimento de culpa ou covardia: todos nós cometemos erros, e são justamente estes passos em falso que nos permitem melhorar e progredir. Entretanto, se somos demasiado tolerantes com nossas atitudes - principalmente quando elas terminam ferindo alguém - terminamos isolados, incapazes de corrigir nosso caminho.
Como afastar a culpa, mas ao mesmo tempo ter a capacidade de pedir perdão por um erro?
Não existem fórmulas. Mas existe o bom senso: devemos julgar o resultado de nossas ações, e não as intenções que tivemos ao realiza-las. No fundo, todo mundo é bom , mas isto não interessa e não cura os ferimentos que podemos causar. Uma bela história ilustra o que quero dizer:
Quando era pequeno, Cosroes tinha um professor que conseguiu fazer com que se destaca-se em todas as matérias que aprendia. Certa tarde, o mestre - aparentemente sem motivo - castigou-o com toda severidade.
Anos depois, Cosroes subiu ao trono. Uma das suas primeiras providências foi mandar trazer o mestre de sua infância, e exigir uma explicação para a injustiça que cometera.
"Por que me castigaste sem que eu merecesse?" perguntou.
"Quando vi tua inteligência, soube logo que irias herdar o trono de teu pai", respondeu o antigo professor. "E resolvi mostrar-lhe como a injustiça é capaz de marcar um homem para o resto da vida.
"Como você sabe o que isso significa" continuou o mestre, "espero que jamais castigue alguém sem motivo."
Isso me faz lembrar uma conversa que tive durante um jantar em Kyoto. O professor coreano Tae-Chang Kim comentava as diferenças entre o pensamento ocidental e oriental.
"Ambas as civilizações tem uma regra de ouro. No Ocidente, vocês dizem: farei para meu próximo aquilo que gostaria de fazer para mim. Isto significa: aquele que ama, estabelece um padrão de felicidade, que tenta impor a todos que se aproximam.
"A regra de ouro do Oriente parece quase igual:não farei ao meu próximo aquilo que não desejo que ele faça comigo. Mas ela parte da compreensão de tudo aquilo que nos deixa infelizes, inclusive ter que obedecer o padrão de felicidade imposto pelos outros - e isto faz toda a diferença.
"Para melhorar o mundo, não impomos uma maneira de demonstrar nosso amor, mas -isto sim - de evitar o sofrimento alheio. "
Portanto, respeito e cuidado ao lidar com o nosso irmão. Disse Jesus: "é pelos frutos que se conhece a árvore". Diz um velho provérbio árabe: "Deus julga a árvore por seus frutos, e não por suas raízes". E diz um velho provérbio popular: "quem bate esquece, quem apanha nunca esquece."

Nenhum comentário: