Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 7 de outubro de 2003

A ocasião e o ladrão

Os dois meninos
Uma velha história árabe conta que dois meninos - um rico e um pobre - voltavam do mercado. O rico trazia biscoitos untados com mel, e o pobre trazia um pedaço de pão velho.
- Deixo você comer meu biscoito, se bancar o cão para mim - disse o rico.
O menino pobre aceitou, e - de quatro na calçada - começou a comer as guloseimas do menino rico.
O sábio Fath, que assistia a cena, comentou:
- Se este menino pobre tivesse um pouco de dignidade, ia terminar descobrindo uma maneira de ganhar dinheiro. Mas ele prefere tornar-se o cão do menino rico, para comer seu biscoito. Amanhã, quando for grande, fará o mesmo por um cargo público, e será capaz de trair seu país por uma bolsa de ouro.
Evitando ajudar o demônio
- Muitas vezes somos instrumentos do mal, quando tentamos praticar o bem -disse Al-Fahid a seu amigo. -Procuro estar sempre alerta, mas hoje fui usado pelo demônio.
- Como? Você tem fama de sábio!
- Esta manhã fui fazer as preces na mesquita. Respeitando a tradição, tirei os sapatos antes de entrar; na saída reparei que haviam sido roubados: terminei por criar um ladrão.
- Mas não é sua culpa - disse o amigo.
- É minha culpa. É fácil despertar o lado mau de nosso próximo. É fácil irritar alguém, semear a discórdia, levantar dúvidas, separar irmãos. O demônio precisa do homem para realizar seus atos - e por isso sou responsável.
O condenado à morte
O grupo passou pela rua: os soldados levaram um condenado para a forca.
- Este homem não prestava - comentou um discípulo com Awas-el Salam. - Uma vez dei-lhe uma moeda de prata para ajudá-lo a levantar-se da miséria, e ele não fez nada de importante.
- Talvez ele não preste, mas pode estar agora caminhando para forca por sua causa. É possível que tenha utilizado o dinheiro que você deu para comprar um punhal, que terminou usando no crime cometido; então, suas mãos também estão ensangüentadas. Ao invés de procurar apoia-lo com amor e carinho, preferiu dar-lhe uma esmola e livrar-se de sua obrigação.
Diante de Deus
Um velho vendia brinquedos no mercado de Bagdad. Seus compradores, sabendo que ele estava com a visão fraca, de vez em quando pagavam com moedas falsas.
O velho percebia o truque - mas não dizia nada. Em suas orações, pedia a Deus que perdoasse os que lhe enganavam. "Talvez estejam com pouco dinheiro, e querem comprar presentes para os filhos", dizia consigo mesmo.
O tempo passou, e o homem morreu. Diante do portal do Paraíso, rezou mais uma vez:
- Senhor! - disse.- Sou um pecador. Fiz muita coisa errada, não sou melhor que as moedas falsas que recebi. Perdoai-me!
Neste momento o portão se abriu, e uma Voz disse:
- Perdoar o quê? Como posso julgar alguém que, em toda a sua vida, jamais julgou os outros?

Nenhum comentário: